Dicas e Relatos de viagens ao redor do mundo

Freedom Trail em Boston – O caminho para a Independência dos EUA

25

Aproveitando uma promoção de Philadelphia para Boston, fomos conhecer a capital do estado de Massachusetts durante o feriado de 4 de Julho (Independência dos EUA).  Para iniciar a série de Posts sobre Boston, irei falar neste post um pouco sobre a Freedom Trail, uma das mais importantes atrações históricas da cidade.

Mapa da Freedom Trail em Boston 

Com um traçado idealizado em 1958, a Freedom Trail foi concebida para facilitar a vida de quem visita a cidade e principalmente preservar a história da revolução americana através de 16 “paradas obrigatórias”consideradas partes relevantes de um quebra-cabeça da época da Revolução Americana que posteriormente levariam à declaração de Independência dos EUA em 4 de Julho de 1776.

Vista de Boston do North End

Estes 16 pontos de relevância histórica encontrados ao longo da Freedom Trail são ligados um ao outro num trajeto de cerca de 4.5 Km de extensão, por uma trilha composta de uma linha de tijolos ou pintadas de vermelho pelas ruas da cidade de Boston.

Freedom Trail feita em tijolos no centro de Boston

Além de facilitar e muito a vida de quem visita a cidade (Idéia que deveria ser adotada em outras cidades) , um passeio pela Freedom Trail é uma experiência super interessante para quem curte um pouco de história como nós. Principalmente na véspera de um feriado de 4 de Julho. (Não preciso nem falar que estava super cheio). Estima-se que anualmente mais de três milhões de visitantes percorrem a Freedom Trail marcada pelas ruas da cidade.

Indicador de atração ao longo da Freedom Trail

 Apresentando a história da Revolução Americana de uma forma didática, a trilha é facilmente percorrivel à pé em meio dia e é muito bem sinalizada e facilmente reconhecível. Mesmo que você opte por não fazer um tour guiado como nós, você pode aproveitar o passeio e aprender bastante coisa com ajuda de algum dos muitos guias gratuitos distribuídos na concierge do seu hotel ou num dos visitors center da cidade com informações relevantes sobre o que será visto pelo caminho. Importante: Começe o passeio pelo centro de visitantes localizado na Boston Common. Visto que o trajeto não é circular. Mapa Trilha Boston.

Início da Freedom Trail em Boston

Hoje, toda esta região que compreende a Freedom Trail está dentro do Parque Histórico Nacional de Boston.   E conta com atrações como o Boston Common, Massachusetts State House Old South Meeting House , Old State House , Faneuil Hall Paul Revere House , Old North Church , USS ConstituitonMonumento de Bunker Hill  entre outros. Monumentos, construções, praças e cemitérios onde os ideais de liberdade de expressão, governo, religião e auto-determinação que influenciam o mundo até os dias de hoje foram forjados no século XVIII.

Escultura em frente a Massachussets State House

A Boston colonial do século XVIII, além de ser a capital e importante centro político e econômico de uma das mais importantes colônias do Reino Unido nos EUA, foi casa de cidadãos que entrariam para sempre na história americana como Samuel Adams,  Paul Revere, John Hancock   entre outros. Toda a história vivida neste período poderia facilmente ter sido esquecida e engolida pela Boston moderna. Felizmente, não foi bem assim. Aninhado entre enormes edifícios, encontramos várias construções de tijolo vermelho da época colonial da cidade, preservada para a posteridade.

Faneuil Hall Boston – Um dos marcos da arquitetura colonial da cidade

Através da Freedom Trail, podemos visitar estes locais um após o outro, quase como Revere e Adams faziam na Boston Colonial. Por cerca de 15 anos entre 1761 e 1775, Boston foi o “cadinho” onde os ideais americanos foram inicialmente forjados e preparados para o seu maior teste: A Independência, assinada pelas 13 colônias em 04 de Julho de 1776 no Independence Hall em Philadelphia.

RedCoat entre os turistas

Diz a história que tudo começou em 1761, com o discurso James Otis  contra as “Writs of Assistence” no Old State House, que mais tarde seria declarado por John Adams (2 Presidente dos EUA)  como: “O primeiro ato de rebeldia contra as reivindicações arbitrárias da Grã-Bretanha”. Insatisfação que continuaria com protestos realizados no Faneuil Hall contra a “Sugar Act”   que iria introduzir o slogan do descontentamento das colônias em relação à sua metrópole, que acabaria por ser resumido pela frase “taxation without representation is tyranny (tributação sem representação é tirania).

Interior do Faneuil Hall, com uma representação de uma discussão da época

Sete anos mais tarde, em 1768, o “Stamp Act”   gerou uma série de motins que motivaram o envio de soldados da Inglaterra, que ocupariam a cidade no ano seguinte. O que despertaria uma enorme animosidade entre os locais e os “Redcoats” (como eram chamados os soldados do exército britânico).

Fantasiados de RedCoats

No meio destes motins, em 05 de março de 1770, cinco manifestantes foram mortos a tiro pelo exército britânico. Fazendo uma multidão liderada por Samuel Adams marchar até a  Old State House exigindo a remoção de todas as tropas de Boston.

Old State House – Antiga sede do governo imperial britânico

Após a fatídica decisão de destruir 342 caixas de chá real feita sob o beiral de Old South Meeting House em 1773, mais tropas chegariam à cidade. Após uma série de batalhas em Lexington e Concord, os Redcoats seriam derrotados pela milícia Colonial em 17 junho de 1775 em uma das mais memoráveis batalhas da Revolução Americana. A batalha de Bunker Hill em Charlestown.

Iniciamos o nosso passeio pela Freedom Trail no Boston Common. Fundado em 1634, Boston Common é o mais antigo parque público das Américas, criado por um grupo de colonos puritanos que compraram os direitos de aproximadamente 18 hectares da terra para o uso comum do primeiro colonizador da área.

Entrada Nordeste do Boston Common

Utilizado por muito tempo como uma área de pastagem comum, o Boston Common foi também utilizado como um campo de treinamento. Mais de 1000 Redcoats montaram acampamento ali durante a ocupação britânica de Boston em 1775. E foi a partir dali às margem do Charles River, que três brigadas de Redcoats embarcariam na fatídica viagem para as batalhas de Lexington e Concord.

Réplica de um soldado britânico na porta de um bar em Boston

O Boston Common também serviu para grandes celebrações históricas, como a revogação da Lei do Selo (Stamp Act) e o fim da Guerra Revolucionária. Até os dias de hoje, o Boston Common continua a ser um palco para a liberdade de expressão e de reunião pública. Tanto que havia um grupo de pessoas manifestando-se contra as guerras do Iraque e Afeganistão. Ali também durante o século 20 aconteceram diversos comícios em defesa dos direitos civis, incluindo um liderado por Martin Luther King, Jr. em 1979.

Manifestação anti guerra aos pés da Park Street Church

Seguindo a trilha ao norte, logo chegamos ao Massachussets State House. Desenhada por Charles Bulfinch, a sede do governo de Massachussets foi concluída em 11 de janeiro de 1798. Sua característica mais distinta é uma enorme cúpula dourada, originalmente feita de madeira e que mais tarde foi coberta com cobre por Paul Revere. Em 1874 este domo foi  coberto com folhas de ouro 23 quilates pela primeira vez. Durante a Segunda Guerra Mundial o domo foi pintado de preto para proteger a cidade dos possiveis ataques aéreos.

Sede do Governo de Massachusetts em Boston

Hoje, a State House é um dos edifícios mais antigos em Beacon Hill, e sob sua cúpula dourada (restaurada em 1997), senadores, deputados estaduais, e o governador conduzem o Legislativo e Executivo da Commonwealth de Massachussets. Uma pinha dourada enfeita o topo da cúpula dourada, símbolo da importância da exploração madeireira no século 18. Infelizmente por ser véspera de feriado os tours para conhecer a Massachusetts State House estavam lotados.

Cúpula em Ouro 23K em Boston

Seguindo adiante paramos no terceiro ponto da trilha, a Park Street Church. Uma igreja congregacional que tornou-se conhecida por apoiar a causa abolicionista, sediando uma série de palestras anti-escravidão, já em 1823. Entre elas, uma série de palestras do então jovem William Lloyd Garrison  , posteriormente fundador da sociedade americana anti-escravagista  . O qual fez seu primeiro discurso abolicionista para o grande público, em 4 de julho de 1829. O que faz desta igreja um dos locais históricos mais significativos na história da Abolição da escravatura nos EUA.

Torre da Park Street Church em Boston

Quase ao lado da Park Street Church está o principal cemitério da época da revolução americana, o “Granary Burying Ground”. Fundado em 1660, este é o cemitério onde estão enterrados vários nomes que fizeram a história deste país.  O cemitério tem 2.345 lápides, embora alguns espcialistas dizem que mais de 8.000 pessoas foram enterrados ali.

Granary Burying Ground em Boston – Cemitério da Elite de Boston Colonial

Entre os “famosos”ali enterrados estão, os pais de Benjamin Franklin, John Hancock, Paul Revere, James Otis, John Adams, Samuel Adams entre outros. Por sinal este último (Samuel Adams), mandou enterrar no túmulo de sua família as 5 vítimas do Massacre de Boston. Por sinal é neste cemitério que estão enterrados 3 dos 56 delegados que assinaram a declaração de Independencia dos EUA. (Samuel Adams, John Hancock e Robert Treat Paine).

Túmulo de Samuel Adams, 1 dos 56 signatários da Independencia dos EUA

Seguindo pela tremont Street até a esquina com a School Street, encontramos a King’s Chapel e o cemitério da igreja. Construída em 1688, pelo governador real, era uma pequena igreja usado pelos não Puritanos que ocuparam Boston para fazer cumprir a lei britânica. Em 1749, o prédio era pequeno demais para o tamanho da congregação, que contava com um grande número de proeminentes comerciantes e suas famílias leais à Monarquia. Contratou-se então o primeiro arquiteto dos Estados Unidos, Peter Harrison, para projetar uma nova igreja.

King’s Chapel – Igreja para os não puritanos (Anglicanos) de Boston Colonial

A nova igreja foi então concluída em 1754 e lembra qualquer igreja Anglicana na Inglaterra. Seu interior é magnífico e é considerado um dos melhores exemplos da arquitetura georgiana na América do Norte.

 

Templo Batista na Tremont Street

Descendo, alguns metros pela School Street, passamos onde funcionava originalmente a Boston Latin School. Fundada em 13 de abril de 1635, Boston Latin School é a mais antiga escola pública das américas. Quatro signatários da Declaração de Independência dos EUA estudaram na Boston Latin: Benjamin Franklin, Samuel Adams, John Hancock e Robert Treat Paine.

Escultura de Benjamin Franklin que estudou na Boston Latin School

O edifício original de madeira da escola foi demolido em 1745 para dar lugar a expansão da King’s Chapel e posteriomentente a Old City Hall. Mesmo deixando de existir neste local, a escola continuou em locais diferentes. Hoje está localizado em Fenway (um bairro de Boston).

Old City Hall – Antiga Prefeitura de Boston

O interessante de estar visitando a Freedom Trail às vésperas do feriado de quatro de Julho é que como parte das festividades estavam acontecendo, diversas representações daquela época.. Nesta parte do passeio, pegamos uma “banda da época” tocando por ali. Todos devidamente trajados com uniformes e perucas como se utilizava na época. Isso tudo mesmo com o calor de mais de 30oC. Muito legal!!

Festividade em homenagem ao 4 de Julho na Freedom Trail

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=cgXOb4f4DSE]

Video da bandinha

Seguindo adiante até a Washington Street, encontramos a Old Corner Bookstore. Inicialmente funcionando como uma botica, construída por Dr. Thomas Crease após o incêndio de 1711 que destruiu a propriedade que pertenceu a dissidente Puritana Anne Hutchinson. Deu lugar à uma livraria  e gráfica em 1828. Funcionando através de vários proprietários até 1903.

Old Bookstore Corner

Atingindo sua época áurea sob a gestão do Ticknor & Fields, publicando obras de Henry Wadsworth Longfellow, Harriet Beecher Stowe, Nathaniel Hawthorne, Ralph Waldo Emerson, John Greenleaf Whittier, Wendell Holmes Sr. Oliver, Charles Dickens e May Louisa Alcott, muitos dos quais eram visitantes freqüentes do local. Infelizmente hoje o imóvel encontra-se vazio para alugar…

Torre da Old South Meeting House em Boston

Seguindo adiante pela Freedom Trail, do outro lado da rua está o Old South Meeting House. Construído em 1729 como um local de reunião de Puritanos, o local foi o palco de alguns dos mais dramáticos eventos que antecederam a Revolução Americana. O mais importante deles foi uma reunião que ocorreu no local em 16 de dezembro de 1773.

Old South Meeting House

O motivo da reunião: Cerca 45 toneladas de chá (principal produto inglês consumido na época) aguardando o pagamento dos tributos nos porões de três navios Ingleses, o Dartmouth, Eleanor, e Beaver. Todos tracado no Griffin’s Wharf (Em frente ao nosso Hotel). Não querendo pagar os onerosos impostos, milhares de Bostonians lotaram o local para uma acalorada discussão sobre o que deveria ser feito com o chá. Após o fracasso de uma tentativa final para o problema e ter o chá enviados de volta para a Inglaterra, Samuel Adams dirigiu à multidão, dizendo: Senhores, esta reunião pode fazer mais nada para salvar o país.    Segundo alguns historiadores, estas palavras foram um sinal secreto para o Sons of Liberty. Naquela noite, os homens disfarçados de índios Mohawk marcharam até Griffin’s Wharf para a fatídica destruição das 342 caixas de chá. Evento que tornou-se conhecido como a Festa do Chá de Boston (Boston Tea Party).

Região do Griffin’s Wharf (fora da Freedom Trail)

Seguindo até a Court Street, chegamos à Old State House. Construção utilizada como sede do Governo britânico antes da Revolução e, posteriormente servindo como sede da Commonwealth de Massachussets. Sendo o lugar o escritório do primeiro governador do estado, John Hancock. Localizado no cruzamento de duas das principais ruas da cidade na época, o Townhouse, como era então chamado, era o centro da vida cívica, comercial e político de Boston.

Old State House

Na fachada do edifício, destacam-se o unicórnio e o leão, símbolos da autoridade real, ambas esculturas foram derrubadas e queimadas após a Declaração de Independência ser lida para o povo de Boston na varanda do prédio em 1776. Substítuidas por réplicas posteriormente.

Local onde Declaração de Independência foi lida para o povo em Boston

Ali em frente a esta sacada um anel de pedras simples marca o local do Massacre de Boston acontecido em 1770, resultando na morte de cinco homens, e acirrando a oposição pública à autoridade britânica.

Old State House, onde aconteceram os motins e o massacre de 1770

Seguindo em direção à região do Quincy Market, logo chegamos ao Faneuil Hall, local com o papel vital na revolução. Peter Faneuil, um rico comerciante, construiu o Hall como um centro comercial em 1742. Foi na sala de reuniões do segundo piso do Faneuil Hall que em 1764 os primeiros americanos protestaram contra a Lei do Açúcar e da Lei do Selo, estabelecendo a doutrina que viria a ser conhecida como tributação sem representação é tirania.

Samuel Adams e Faneuil Hall em Boston

Após a Revolução e até hoje, Faneuil Hall mantem a sua posição como palco de debate. Por estarmos as vésperas do feriado de 4 de Julho, assistimos por alguns minutos a encenação de um acalorado debate sobre impostos sobre os produtos ingleses.

Faneuil Hall

Por sinal em frente de Faneuil Hall está a estátua de Samuel Adams. Afinal de contas foi ali que ele fez sua maior obra, dominando as reuniões da cidade e encenando um funeral para as vítimas do Massacre de Boston.

Estátua de Samuel Adams

Depois de visitar o local, demos uma escapada da Freedom Trail para um passeio pelo Quincy Market. Um mercado super bacana, com dezenas de opções gastronômicas super variadas e gostosas.

Quincy Market em Boston – Algumas das delicias gastronômicas estão aqui 

Seguindo em direção ao North End, pelo caminho ainda passamos por uma feira livre com frutas, verduras e legumes com uma cara ótima.. Os pêssegos estavam tão cheirosos que a vontade era de comprar e comê-los ali mesmo.

Mercado de rua em Boston

Chegamos a Hannover Street, uma espécie de Little Italy de Boston, com dezenas de restaurantes com cardápios super convidativos. O Bairro é uma graça e no verão o lugar fica ainda mais charmoso com restaurantes abrindo suas janelas e na medida do possível colocando algumas mesas para fora.

North End – Bairro Étnico de imigrantes Italianos e Irlandeses

Seguindo novamente a trilha, chegamos à casa de Paul Revere. Uma estrutura de madeira, que remonta a 1680, considerada o mais antigo edifício de Downtown Boston. Paul Revere comprou esta casa em 1770 quando tinha 35 anos. Durante o século 19, a casa serviu como um cortiço de imigrantes irlandeses, judeus e italianos, que concentravam-se no North End.

Casa de Paul Revere, construída em 1680

Na seqüência chegamos à Old North Church, a mais antiga igreja de pé em Boston, após ter aberto suas portas aos fiéis em 29 de dezembro de 1723. Seu campanário é o mais alto em Boston e por causa da sua proeminência desempenhou papel crucial na Revolução Americana.

Old North Church

Os planos do General Inglês Thomas Gage de enviar tropas para surpreender e confiscar  munições rebeldes armazenados em Lexington e Concord, prender John Hancock e Samuel Adams foram descobertos pelos revolucionários, os quais criaram seu próprio plano para avisar Paul Revere e William Dawes da chegada do exército britânico .

 

Estátua de Paul Revere e Old North Church

Utilizando lanternas do alto da torre desta igreja os revolucionários sabiam do avanço dos Redcoats e desta forma não foram pegos desprevinidos. Estas mesmas lanternas anunciariam as batalhas de Lexington e Concord e o início da Revolução Americana.

Torre de Igreja mais alta de Boston

A título de curiosidade, a torre da igreja foi derrubada duas vezes por furacões, em 1804 e em 1954.

Torre Old North Church

Antes de cruzarmos o Charles River em direção à Charlestown ainda passamos em frente ao Copp’s Hill Burying Ground, um cemitério  do século XVII no alto da colina, onde eram enterrados os cidadãos comuns de Boston. Devido à sua altura, os ingleses usaram esse ponto de vista para alinhar seus canhões para Charlestown durante a batalha de Bunker Hill em 1775.

Copp’s Hill Burying Ground em Boston

Depois de cruzarmos o Charles River, acabamos desistindo de visitar o USS Constitution por conta da enorme fila para passar pelo esquema de segurança da Charlestown Navy Yard. Acabamos desistindo também de caminhar até Bunker Hill, visto que não se vê nada além do Obelisco que já enxergávamos à distância.

USS Constituiton

Retornamos para Boston no Water Shuttle que nos levou da Charlestown Navy Yard até o Long Wharf. Na verdade queríamos ter pego o Water Taxi que nos levaria de volta até o pier do Hotel, mas não conseguimos encontrar o pier de onde o Barco-Taxí nos pegaria. Perguntamos para um Ranger do National Park que nos mostrou o pier de onde pegamos o Water Shuttle que custa 2USD por pessoa e leva cerca de 15 minutos para fazer a travessia. Além de uma vista super legal da cidade ainda economizamos uns 15 USD.

Charlestown Shipyard

Enfim, um passeio super interessante onde vimos edifícios e lugares que há mais de 2 séculos atrás foram palco de uma revolução que culminou com a Independência dos EUA e que influenciaria para sempre a história da humanidade.

Vista de Boston do Water Shuttle para o Long Wharf

Endereço:

99 Chauncy Street
Boston, MA

Boston no MauOscar:

   Resumo da Série com as atrações turísticas de Boston
 Transporte público em Boston
  Quincy Market em Boston  

 Kelleher Rose Garden – Uma surpresa no meio do caminho

 Dale Chihuly no Museu de Belas Artes de Boston

 Uma visão 360º de Boston – A cidade vista de alto do Prudential Tower

 Chinatown em Boston

 Extreme Sailing Series em Boston

 Universidade de Harvard em Cambridge

 Salem, a capital mundial das Bruxas

Posts Relacionados:

 

 Independência dos EUA: A história no Independence National Historical Park em Philadelphia

 Independência dos EUA contada em Valley Forge

 Explorando San Francisco na Califórnia

Veja também:

Boston por Alessando Ayres Blog Wazari

Boston por Mirella Blog Mikix

Boston por Gustavo Belli Blog Viajar e Pensar

Boston por Margarida Blog AsViagens de Margarida

Freedom Trail no Blog Vagamundos

 

Índice com todos os Posts do MauOscar

Clique na Logo =>

Siga o MauOscar.com também no:

  

25 Comments
  1. Mari Campos says

    Fiz a trilha na primeira visita à cidade e fiz questão de refazê-la agora em abril passado: continuo achando um dos passeios mais legais de Boston.

    1. MauOscar says

      Mari

      Esse foi nosso primeiro passeio na cidade. Apesar de estar abarrotado de turistas pelo feriado de 4 de Julhon foi uma experiência muito legal…
      Tenho que dizer que amei boston.. pelo menos no verão… No inverno são outros 500 😛

      Bj

  2. Mirella says

    Boston é sensacional… o ZeJet classificou Boston e NYC de maneira perfeitinha: “NYC é para namorar e Boston é para casar!”…
    E não é verdade?
    E fala sério, depois de um post tão explicadinho assim, quem é que precisa de guia! Leva o “Guia MauOscar” e pronto 🙂
    Tks pelo link 🙂
    bjks

    1. MauOscar says

      Mirella

      Concordo plenamente com as palavras do ZeJet… Nós Amamos Boston, até já estamos cogitando a possibilidade de voltar novamente…
      O Post deu trabalho, mas eu adoro aprender história desta forma.. Espero que não tenha ficado too boring…
      Bjks

  3. Célia says

    Ver Boston pelos olhos de vocês será muito bom, e esse primeiro post é amostra disso. E tudo tão bem explicado e escrio, que dá vontade de ir agora! Beijos.

    1. MauOscar says

      Célia

      Acompanhe a série, que ainda vem uns 4 – posts por ai… Boston é D+
      😀
      Bjs

  4. Patricia - Turomaquia says

    Do ponto de vista do estudo do turismo e da interpretação, esta trilha é bem importante, porque foi uma das primeiras. Inclusive inspirou as pegadas da memória de CWB.
    beijos e parabéns pelo post!!!

    1. MauOscar says

      Patricia

      Legal saber disso, bem a trilha tem a idade do meu Pai, acho que deve ter sido algo bastante inovador na época e que certamente deve ter sido copiado em muitas outras cidades espalhadas pelo mundo.. Acredita que nunca tinha ouvido falar desta trilha pegadas da memória de Curitiba?!…
      Obrigado pela visita

      Bjos

  5. zélia oliveira says

    Post excelente, uma verdadeira aula da história americana, cujos primórdios são até hoje discutidos naquelas discussões habituais sobre os “por ques” que os Estados Unidos da América é assim e o Brasil é assado, quando têm aproximadamente a mesma idade. Boston é a cidade onde tomou corpo o espírito de liberdade e respeito individuais que até hoje se mantém por lá, diga-se o que se disser.Sou fã do Oscar e seus posts desde o começo deles e este foi um dos melhores.
    Zélia

    1. MauOscar says

      Zélia

      Obrigado pela vista e pelo gentil comentário.. As vezes tento não ser muito prolixo nos meus Posts e tentar fazer eles mais curtos, mas eu tenho o “pessímo” costume de me impolgar quando escrevo sobre algum lugar/tema que me interessa e ai o resultado as vezes é longo demais.. Fico muito feliz que você tenha lido tudo e gostado… Aprendi muita coisa na visita e escrevendo este Post..

      Bjks

  6. […] Market em Boston Durante nosso passeio pela Freedom Trail em Boston, demos uma escadapinha vapt-vupt do roteiro para conhecer um pouco mais doFaneuil Hall Marketplace, […]

  7. Vera Lúcia says

    Vai além de dicas turísticas, bem detalhado e com informações históricas consistentes, fundamental.
    Oscar, adorei o novo layout.
    Beijos.

    1. MauOscar says

      Vera

      Muito Obrigado… O Layout faz parte do projeto de aniversario de 3 anos do Blog… No começo as coisas ainda estão espalhadas, mas aos poucos vamos colocando ordem na casa…
      Se vocês ainda não conheceram Boston, façam isso numa próxima vinda aos EUA durante o Verão/ Outono… A cidade além de linda respira história 😀
      Bjs

  8. Gustavo - Viajar e Pensar says

    Que saudade de Boston!!!
    Fizemos o passeio quase completo e guiado pelos nossos amigos que vivem aí, foi uma experiência sensasional também.
    Achei este lado histórico muito interessante, além do passado recente com os pontos onde o JFK passava.

    Parabéns e muitas viagens para nós!!!
    🙂

  9. […]  Boston Commons, Massachusetts State House e Park Avenue Church, 3 das 16 atrações da Freedom Trail de Boston […]

  10. Olá queridos amigos, puxa o site ficou lindo!!! Adorei a “roupa” nova dele. Parabéns!
    No ano que vem, faremos um tour especial pelo USA, meu cunhado mora no Texas e vamos ficar 40 dias por aí! Vou aproveitar muito o site de vcs, tem informaçoes valiosas. Pretendemos conhecer de norte a sul. Estamos animados.
    Beijos e uma quinta-feira maravilhosa para vcs!

    1. MauOscar says

      Olá Angela

      Que legal saber que você curtiu o nosso novo Blog.. Ainda estou fazendo algumas adaptações no backstage.. Mas todo mundo parece estar gostando…
      Que legal saber que vocês vem aos EUA ano que vem.. Já sabem a época? Estaremos por aqui até Maio, seria muito legal encontrar vocês.. Precisando de alguma coisa é só dar um alô!!!
      Uma ótima semana

      Bjs

  11. […] Angela- Alemanha, por que nao?: Olá queridos amigos, puxa o site ficou lindo!!! A… […]

  12. Lena says

    Eu sempre tive vontade de conhecer Boston. Coincidentemente, antes de ontem vi o filme do Faebook , que se passa em Harvard e fiquei ainda mais curiosa. E pra completar, esta sua série completíssima aqui! 🙂 Adorei! Também aprendo muito com seus posts!
    bjks!

    PS: Ah, a propósito: colocar os links de outras pessoas que já escreveram sobre o destino também é ótimo!!

    1. MauOscar says

      Lena
      Eu também sempre ouvi falar tão bem de Boston que decidimos que tinhamos que visitar.. Com promoção de passagem com vôo direto para o feriado, não pensamos duas vezes em ir lá conhecer… E tenho que dizer que fiquei com muita vontade de voltar…
      Mas Boston não deve ser muito legal de se visitar quando é frio.. Mesmo em pleno verão o ventinho que soprava vindo do mar era geladinho.. Uma delicia, mas imagine esse ventinho no inverno…/ Brrr
      Eu acho legal colocar sugestões de leitura para quem gosta de se aprofundar um pouco mais ou saber o ponto de vista de outras pessoas.. Bom saber que você prestou atenção nisso e aprovou a iniciativa

      Bjs

  13. […] transporte por duas vezes e aprovamos. A primeira delas voltando Charlestown Navy Yard ao final da Freedom Trail no primeiro dia e a segunda na volta de Salem para Boston em nosso último dia na […]

  14. […]  Freedom Trail em Boston – O caminho para a Independência […]

  15. […] relevantes. Nós não fizemos esse circuito, mas vocês podem ler mais a respeito neste post AQUI do Blog […]

Leave A Reply

Your email address will not be published.