Tanoaria: Como os Barris de Carvalho são Produzidos

Durante a fase de planejamento do nosso roteiro pelo Napa Valley, descobri que a região possui uma filial da Demptos, uma empresa de origem francesa especializada na produção de barris de carvalho há quase 2 séculos.

Barris de Carvalho recém produzidos no Napa Valley

Como uma vez, durante a disciplina de Tecnologia Florestal, fiz um trabalho sobre o assunto sempre tive vontade de conhecer a forma como que os barris de carvalho tão importantes para o envelhecimento dos vinhos eram fabricados.

Entrada do escritório da fábrica

Apesar de já ter visto algumas fotos do processo, tenho que dizer que ao vivo e a cores o negócio é muito mais interessante e legal. Pelo menos para quem é digamos “do ramo”.

 Fábrica da Demptos em Napa 

O único problema foi quando descobri que a empresa deixou de fazer os tours da produção há cerca de 2 anos atrás. Mesmo assim resolvi escrever um email para eles explicando os motivos pelos quais teria interesse em conhecer o processo de como os barris de carvalho são fabricados.

 Escritório da Demptos

Pois bem, passaram-se umas 2 semanas e nada de recebermos uma resposta, fosse ela positiva ou negativa. Já estava dando a visita como caso perdido. Até que, em nosso segundo dia no Napa Valley no trajeto entre a Vinícola Artesa e a Rubicon Estate toca o meu celular.

 Produção de Barris de Carvalho no Napa Valley

Era o superintendente da fábrica perguntando se estávamos no Napa Valley, e nos convidando para conhecer o processo. Ele se desculpou pela demora e disse que infelizmente eles não estão mais abertos ao público em geral, mas pelo fato de ter mandado um email, ser Engenheiro Florestal e ter interesse por vinhos, ele resolveu abrir uma exceção nos receber pessoalmente para conhecermos a produção de barris de carvalho.

 Linha de Produção da Demptos em Napa

Como já estavamos com o planejamento do dia praticamente fechado e a reserva do tour elevage na Rubicon Estate pago, o jeito foi postergar a saída para o Yosemite no dia seguinte e desta forma visitar a produção pela manhã bem cedo, inclusive isto era o ideal segundo ele pelo fato de a “tosta” dos barris acontecer apenas no início da manhã.

 Máquina que coloca as argolas no barril

No dia seguinte às 06:00 da manhã lá estavamos nós para fazer a tão esperada visita técnica a uma tanoaria. Tanoaria para quem nunca ouviu falar é o nome técnico utilizado em portugues para a fabricação de vasilhames de madeira. Cooperage (em inglês).

Queimando o buraco do Batoque

Hoje em dia a tanoaria é considerada quase que como uma arte uma vez que é cada vez mais raro se encontrar pessoas especializadas nesta profissão. Porém, no período inicial do século XII, a tanoaria era uma profissão com um número elevado de artífices. Apesar de não parecer uma profissão com grande apelo nos dias de hoje, ela é fundamental para a indústria vitivinícola.

 Máquina operando na Demptos Tanoaria 

Chegamos na hora combinada e lá estava o superintendente da empresa nos aguardando. Super simpático e receptivo a perguntas e questionamentos. Depois das apresentações iniciais lá fomos nós conhecer “in loco” todo o processo. Uma verdadeira aula de tecnologia florestal em uma plena a terça-feira pela manhã.

 Barris de Carvalho aguardando a próxima etapa

Historicamente, já se utilizaram diversas espécies de árvores européias para a produção de pipas e barris de vinho, incluindo a acácia, faia, cerejeira, choupo, castanheira entre outras. Porém no decorrer da história os produtores de vinhos (franceses) descobriram que apenas as barris feitos de carvalho ou nogueira transmitiam aromas adequados aos vinhos neles feitos.

Barris de Carvalho

O carvalho (Quercus sp.) no decorrer deste processo se mostrou sendo o mais interessante entre todas as espécies por duas razões principais, suas características que contribuem para o aroma do vinho e principalmente pelas suas características tecnológicas intrinsecas à espécie.

Barris de Carvalho na Demptos Cooperage

O gênero Quercus, possui mais de 250 diferentes espécies. Porém destas apenas 3 espécies de fato interessam para a tanoaria e consequentemente para a produção de vinhos. São elas:

O Carvalho Séssil (Quercus petreae/Quercus sessiflora) - Europa

Quercus Petrae na Reserva da Biosfera em Wörlitz – Alemanha

O Carvalho Pedunculado (Quercus robur/Quercus pedunculata) - Europa

Quercus Robur em Berlin – Alemanha

O Carvalho Branco Americano (Quercus alba) – América do Norte

Quercus Alba em Delaware

Cada uma destas espécies possui características totalmente diferentes. De uma forma genérica o Carvalho Séssil é mais rico em substâncias aromáticas, como a vanilina e metiloctalactona, ao passo que o Carvalho pedunculado contém principalmente componentes fenólicos como os taninos. Já o carvalho americano contém menos tanino que o carvalho pedunculado e mais componentes aromáticos. Porém, precisam de um aquecimento forte e longo durante o processo de fabricação e usados em períodos menores de maturação do vinho.

 Calor tem papel fundamental na produção de Barris

Dependendo do tipo de vinho que se pretende produzir (Tinto ou Branco; com potencial de envelhecimento de médio ou longo prazo, etc..) escolhe-se um carvalho de uma espécie ou de uma origem particulares. Como não existem regras e o grau de variáveis a serem controladas muito diverso, cabe ao produtor de vinho combinar sua experiência com a do tanoeiro afim de escolher a espécie e a origem que mais lhe convém.

Barril de Carvalho ganhando forma

Como resultado disso, e da demanda por vinhos no mundo todo, nos últimos anos a procura por Barriques, como são chamadas as pe­quena pipas, ou barris de carvalho normalmente com uma capacidade de 225 litros usadas para o envelhecimento do tradicional vinho frances da região de Bordeux tem aumentado consideravelmente.

 Aquecendo-se o carvalho em diferentes temperaturas obtem-se diferentes sabores no vinho 

Em função do incremento da demanda deste tipo de barril em todos os países produtores de vinho do mundo, entre eles o Brasil. Em que é cada vez maior o número de vinícolas que escolhem estes re­cipientes para vinificar vinhos brancos especiais ou para proceder a maturação dos seus melhores tintos.

 Barris de carvalho, essencial para produção de vinhos de alta qualidade 

Fazendo com que a relação de oferta e demanda por madeira de carvalho entre em níveis críticos, visto que uma árvore leva em média 150 a 230 anos para atingir a maturidade para poder ser usa­do como madeira para este fim. E que acaba justificando o elevado preço de um barril hoje no mercado. E bem como a procura de novas fontes de suprimento de madeira como o que é possivel observar com o uso  de carvalho oriundo do leste europeu, à um preço quase 40% mais barato.

 Adeuelas de carvalho húngaro prontas para o uso

Apesar de o Carvalho ser uma espécie com distribuição natural em vários países do hemisferio norte. O Carvalho fran­cês é geralmente considerado o melhor de todos para a tanoaria.

 Barris de Carvalho prontos para o uso

A França com todo sua história ligada à produção de vinhos e visando a qualidade e sustentabilidade dessas florestas implantou desde meados do seculo XVII uma série rigorosos controles sobre o abate dessas árvores, de modo a restringir a degradação das florestas e garantir o abaste­cimento de alta qualidade para as gerações futu­ras. O que prova na prática que a pro­dução sustentável de alta qualidade só se pode ser alcançada por meio de uma boa administração florestal a longo prazo.  Coisa que os outros países só poderão começar a colher os primeiros frutos daqui algumas dezenas de anos.

Utilização Florestal de um Cavalho

Além disso, outro agravante que faz com que um barril de carvalho europeu de boa qualidade seja tão caro é o fato que para se produzir 1m3 de (aduelas) madeira para este fim, são necessários cerca de 5m3 de troncos com casca.

Barris de Carvalho aguardando a gravação à Laser

Para que os barris sejam impermeáveis depois de prontos, o carvalho europeu deve ser cortado seguindo a sua grã. O que já não acontece com o carvalho americano que é mais denso e menos poroso, e pode portanto ser cortado sem observar necessariamente a direção da grã. Desta forma produzindo um aproveitamento de até 50% da madeira utilizada.

 Barril já embalado apenas aguardandoa gravação à Laser

O uso do carvalho americano é relativamente recente, porém desde então vem sendo muito apreciado, não apenas no continente americano mas principalmente na Espanha e Portugal e mais recentemente na África do Sul e Austrália.

 Barril pronto

O carvalho americano (Quercus alba) utilizado na Demptos é oriundo de florestas no estado da Pennsylvania e Wisconsin. A madeira então é processada e levada até Napa Valley na Califórnia, onde é colocado para secar ao ambiente por um periodo mínimo de 3 anos. Este tempo também se aplica ao carvalho europeu. Detalhe interessante de mencionar é o fato que cada barril é feito preferencialmente com madeira de uma única árvore, garantindo assim maior uniformidade.

Madeiras passando pelo processo de secagem natural

Depois de passar por este processo de secagem natural as tábuas ou aduelas são passadas em uma Serra para ficarem com mesmo comprimento desde o início da montagem dos barris.

Aduelas de Carvalho prontas para o inicio da montagem dos Barris

Na seqüência acontece a montagem do primeiro lado do barril com as argolas metálicas. O tanoeiro usa um aro de metal para segurar as aduelas cortadas encaixando perfeitamente. Quando o círculo esta completo, o tanoeiro coloca um segundo e/ou terceiro aro em torno do barrique com a ajuda de um martelo.

Montagem do primeiro lado do barril com as argolas metálicas 

Entra aí a etapa mais interessante na produção dos barris. As aduelas estão ainda separadas na outra extremidade do barril são aquecidas numa espécie de fogueira de modo com que o calor aumente a flexibilidade da madeira de modo que possa ser flexionada mais facilmente e ser fechada com o auxílio de um maquinário especial.

 Barris passando pela Tosta, onde alem de contribuir com o sabor do vinho também facilita a produção do Barril

É justamente o grau de chauffe, esta “tostada” provida pela intensidade deste aquecimento, que é crucial na determinação dos aromas que o barril irá transmitir ao vinho quando terminado. E olha tenho que dizer que ao colocar a cabeça dentro de um barrique que acabara de sair do fogo o cheiro era muito bom.

Interior do Barril com aparência de queimado

O mais interessante nesta história toda é o fato de que eles utilizam o método tradicional de tosta, ou seja nada de eletrecidade ou queimadores à gás. O fogo ali produzido utiliza os resíduos da própria madeira refugada no processo.

 Queimadores tradicionais

Com a madeira ainda quente e o auxílio de uma máquina especial a madeira é forçada e as outras argolas metálicas colocadas do outro lado. A partir deste momento o barril ganha o jeitão de como ele ficará dali em diante. As argolas do outro lado são substituidas por argolas metálicas novinhas e o barril recebe a tampa e o fundo e é então fechado.

Máquina penumática fazendo a flexão das aduelas e dando forma ao Barril

O que mais impressionou nesta história é que em momento algum se faz o uso de qualquer cola ou material adesivo e a taxa de defeitos na linha de produção é quase nula. A única coisa utilizada para evitar qualquer tipo de vazamento entre a tampa e o fundo do barril é uma espécie de palha seca, que tinha uma textura que lembra a taboa. Talvez até seja ela.

 Preparando a tampa e o fundo do futuro Barril

Antes disso ainda, o tanoeiro com a ajuda de uma “furadeira”especial faz um orificio para o batoque e passa um maçarico para dar o acabamento final até a medida pretendida.

Fogo é utilizado para dar o acabamento final no orifício do Batoque

O barril ainda passa por uma plaina em forma de torno deixando ele com uma aparência de novo, removendo alguns milímetros de madeira com aparencia danificada ou “queimada”durante o processo de fabricação.

 Barril passando pelo processo final de acabamento numa plaina/torno

E a partir deste momento recebe uma gravação a Laser, uma espécie de pirógrafo moderno. Passa pelo controle de qualidade e é então embalado para ser mandado para alguma vinícola pelo mundo.

Gravação da Marca e Especificações do Barril utilizando o Laser 

Enfim, depois de 2 dias intensivos sobre vinhos e espumantes e para finalizar uma verdadeira aula prática sobre a fabricação de barris de carvalho, nos despedimos do Napa Valley e seguimos viagem em direção ao Parque Nacional de Yosemite, o segundo parque nacional dos EUA.

Barris prontos para serem enviados às suas respectivas vinícolas pelo mundo

 Veja Também:

Tanoaria em Portugal

 

Para facilitar a vizualização das vinícolas e das atrações que comentei ao longo destes 11 Posts sobre o Napa Valley criei um Mapa no Googlemaps para ajudar no planejamento de quem pretende visitar esta região. Aqueles lugares que visitamos e que estão publicados na forma de Posts aqui no MauOscar estão com o logo do Blog. Aqueles com a taça são outras vinícolas que gostariamos, caso tivessemos mais tempo ter tido a chance de visitar. Enfim basta seguir a legenda. Tin-Tin

Clique no Mapa para ir para o Googlemaps

Todos os Posts da Série Napa Valley:

 Guia Vinícolas Napa Valley EUA – Post Resumo

 Napa Valley – Os melhores dos vinhos dos EUA estão aqui!! 

 Espumantes de Napa Valley – Domaine Carneros

 Espumantes de Napa Valley – Domaine Chandon

 Vinícola V. Sattui em St. Helena – Napa Valley

 Espumantes de Napa Valley – Mumm Napa

 Vinhos Napa Valley – Vinícola Artesa

 Vinhos Napa Valley – Rubicon Estate e os Vinhos de Francis Ford Coppola 

 Vinhos Napa Valley – Castello di Amorosa

 Visitando uma Floresta de Sequóias Petrificadas

 Tanoaria: Como os Barris de Carvalho são Produzidos

 

Índice com todos os Posts do MauOscar

<= Clique na Logo

Siga o MauOscar.com também no:

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

37 Responses to “Tanoaria: Como os Barris de Carvalho são Produzidos”

  1. Ana
    28/10/2010 at 4:48 am #

    Super interessante, Oscar, adorei! Bjs.

    • Mauoscar
      29/10/2010 at 8:31 am #

      Oi Aninha

      Muito legal ver você por aqui. Acho muito legal visitar a produção das coisas, principalmente se for ligada à industria de base florestal.. Lembro daquela vez que eu e o Raul fomos te visitar na Argentina e visitamos a Tapebicua e a Las Marias.. Foi tão legal!!

      Bjs

  2. carlos eduardo nascimento
    28/10/2010 at 4:56 am #

    cada vez melhor. parabens

    • Mauoscar
      29/10/2010 at 8:32 am #

      Obrigado tio Du…

      Manter o Blog dá trabalho.. Mas recer estes elogios fazem a gente não desanimar!!

  3. 28/10/2010 at 4:21 pm #

    Que trabalho, hein?? Bj
    Claudia

    • Mauoscar
      29/10/2010 at 8:37 am #

      Oi Cláudia

      Que trabalho em todos os sentidos.. Esse Post tive que fuçar no trabalho que fiz na faculdade que achei por acaso um rascunho dele nos meus arquivos pessoais.. Mas o trabalho que você deve ter se referido é de fato extremamente interessante.. Uma experiencia bem diferente.. apesar de sair com a roupa digamos “defumada”
      Bjs

  4. 29/10/2010 at 12:22 am #

    Caramba Oscar, que aula você recebeu e nos passou :)
    Muito bacana messssmo…
    bjs

    • Mauoscar
      29/10/2010 at 8:40 am #

      Oi Mi…

      Ahh ainda tinha um monte de coisas que poderia falar.. Mas ai o Post ia ficar mais “boring”do que talvez já esteja.. Mas é interessante e não coloquei no Post a forma como os carvalhos são abatidos e comercializados na França.. Nem como o nível da Tosta influência o sabor final do vinho..
      Mas legal saber que você gostou :D
      Bjs

  5. Lúcio flávio Andrade Lopes
    07/12/2010 at 11:37 pm #

    Tem alguma empresa especializada na importação destes barris, caso positivo, tenho interesse em adquirir algumas dezenas.

    Att.

    Lúcio Flávio

    • Mauoscar
      09/12/2010 at 9:42 am #

      Lúcio Flávio

      Não conheço nenhuma empresa especializada na importação deste tipo de produto para o Brasil, de toda forma tente entrar em contato com a fábrica pois eles certamente têm interesse em exportar para o Brasil

      Att

      Oscar

  6. EDISON S. KNEUBUHL
    18/02/2011 at 10:48 am #

    Boa tarde ,gostaria de saber como faço para adquirir um barril igual a este e minha paixao

    • MauOscar
      18/02/2011 at 11:28 pm #

      Edison

      Creio que a Demptos não vende no varejo.. Além disso o preço destes barris não sao muito atrativos se não forem utilizados para o envelhecimento de bebidas nobres..
      De qualquer maneira entre em contato diretamente com o fabricante

      Abraço

  7. Hilário Bedra
    20/02/2011 at 12:34 am #

    Caros cidadões do mundo!!!
    Assim como vocês, eu precisava saber sobre tanoaria. Vocês encontraram respostas no caminho da vida. Eu encontrei na “net”, nas pegadas deixadas por vocês!!!
    Hilário Bedra – Bicho do Paraná

    • MauOscar
      22/02/2011 at 8:48 am #

      Hilário

      Obrigado pela visita

  8. luis fernando
    02/06/2011 at 7:16 pm #

    rapa gostei d+ , sou marceneiro e esta senana apareceu um barril pra nos reformar e notei q ele tava queimado por dentro e fiquei curioso e acabei aqui, parabéns pelo seu trabalho

    • MauOscar
      07/06/2011 at 9:55 pm #

      Obrigado pela visita…

      Durante a faculdade tive uma aula sobre o assunto mas nada como ter visto a fabricação dos mesmos ao vivo e a cores…

  9. Corintho Félix Palma Jr.
    01/09/2011 at 4:16 pm #

    Parabéns por compartilhar essa cultura tão encantadora, matéria de ótima profundidade e excelente qualidade .

    Corintho Palma Jr.

    • MauOscar
      01/09/2011 at 4:24 pm #

      Coríntio

      Obrigado pela visita e pelas palavras

      Abraço

  10. Manuel Augusto Araújo
    26/01/2012 at 9:48 am #

    Os maiores sucessos para vocês.Fiquei impressionado com tanta técnica.
    Acabei de comprar um barril de 10 litros novo de madeira de carvalho, quero por aguardente branca de vinho, que faço?
    respeitosos cumprimentos.

    • MauOscar
      02/02/2012 at 9:18 am #

      Manuel

      Infelizmente não sei como funciona este processo. Apenas visitamos a fábrica e transcrevi aqui um pouco do que aprendemos nesta visita.

      Att
      Oscar

    • EDI
      06/02/2012 at 5:45 am #

      Bom dia ,gostaria de saber o email da fabrica de toneis na Argentina.
      voçes podem arrumar para mim.

      • MauOscar
        07/02/2012 at 9:05 am #

        Edi

        A Demptos tem fabrica apenas na Franca e aqui nos EUA

  11. 17/04/2012 at 6:17 am #

    Tenho alambique em Santa Catarina Brasil e gostaria de mais informações, como aquirir .

    • MauOscar
      25/04/2012 at 8:44 am #

      Robson

      Nos apenas visitamos esta tanoaria.. Não vendemos, não representamos o produto

  12. EMERSON CORDEIRO
    21/04/2012 at 6:39 pm #

    BOA NOITE! MEU AMIGO SOU IMPORTADOR DE MADEIRA, TENHO UMA ESPECIE DE MADEIRA QUE SE CHAMA GUANANDI CARVALHO, FIQUEI SABENDO QUE ESSA MADEIRA E USADA PARA FAZER BARRIL, VC SABE ME RESPONDER SE CONSIGO VENDER ESSA MADEIRA PARA ESSA PRODUÇÃO??

    • MauOscar
      25/04/2012 at 9:13 am #

      Emerson
      Para esta empresa acho sinceramente muito difícil… Eles são de origem francesa e produzem barris de carvalho desde 1825 e desde 1982 estão instalado em Napa produzindo exclusivamente barris de carvalho francês e americano.. Para o público que eles atendem a única madeira que “presta” é o carvalho..
      Estive na Miolo em Bento Gonçalves semana passada e a tanoaria que monta os barris de carvalho americano para eles está instalada no vale dos vinhedos.. Ja os de barris de carvalho frances, estes vem montados diretamente da franca..

      Pode ser interebsante voce descobrir quem monta estes barris para eles no Brasil e assim tentar fazer algum experiemento com a espécie.. Mas pelo meu pouco conhecimento, acho que o Guanandi serviria mesmo apenas para confecçao de barricas para o envelhecimento de cachaça

      Abraço

  13. 29/04/2012 at 10:47 pm #

    Olá MauOscar, muito boa sua matéria sobre a confecção dos barris. Gosto da arte e tenho uma dúvida que, talvez, você possa me esclarecer. As ripas do barril não são retas, têm um corte arredondado no centro. Você sabe dizer as medidas desse corte? Quanto mais ‘barriguda’ a ripa, maior o barril e a curvatura da ‘barriga’. De qualquer forma, obrigado pela matéria. Abs!

    • MauOscar
      01/05/2012 at 9:39 pm #

      Oliveira

      Este é o raciocínio.. Infelizmente nao tenho estas medidas

      Abs

  14. 13/08/2012 at 10:18 pm #

    Olá Mauoscar,

    Estou pesquisando sobre as madeiras que dão sabores especiais à cachaça, entre elas o carvalho. Gostei muito das suas palabras e suas fotos. Gostaria de sua autorização para uso parcial do texto (que for de interesse para o ramo da cahaça), e utilizar algumas de suas fotos no Site e redes sociais do Clube do Alambique.

    Atenciosamente,
    Ana Lúcia.

    • MauOscar
      13/08/2012 at 10:38 pm #

      Ana Lúcia

      Nossa política aqui no Blog é de gerar conteúdo inédito e não autorizar o uso total ou parcial dos nossos textos ou fotos.. Minha sugestão é você indicar nosso texto para quem tiver interesse.

      Att

      Oscar

      • 08/10/2012 at 4:09 pm #

        Olá, o meu nome é Salvador Alves e sou Português.
        Sou sócio gerente de uma empresa que se dedica ao fabrico de máquinas para a tanoaria, e achei muito interessante o seu blog.
        Agradeço que faculte o nosso site aos seus contactos para futuros negócios.
        Abraço

        • MauOscar
          09/10/2012 at 5:14 am #

          Salvador

          Seu site esta registrado aqui.. Se alguem tiver interesse e ler os comentários irá chegar ao seu site.. Abraço

  15. Luciana Betenson
    23/06/2013 at 8:29 pm #

    Bacaníssima este post. As vinícolas que vi na Espanha tinham tanoarias mas não tivemos uma aula tão completa assim. Serviu muito para esclarecer algumas das minhas dúvidas. Abraços!

    • Oscar Risch - MauOscar Blog de Viagens
      24/06/2013 at 3:43 pm #

      Luciana

      Legal.. Eu adorei a visita e como durante a faculdade aprendi um pouco sobre o assunto, aproveitei a visita e um pouco dos meus conhecimentos para fazer esse post.. Legal saber que você curtiu..

      Bjs

  16. José Alves de Oliveira Junior
    22/05/2014 at 5:19 am #

    Ótimo dia Oscar,gostei de ver a visita que você fez a uma Tanoaria,tomei gosto pelos barris,após ter iniciado uma fabricação de portas vinhos ,tipo carroções ,estou indo visitar uma Tanoaria na serra Gaucha,gostei das suas dicas,abração tudo de bom ,quando estiver no Brasil entre em contato para trocar umas idéias sobre as suas visitas que serão interessantes,atenciosamente Junior.

    • Oscar Risch - MauOscar Blog de Viagens
      29/05/2014 at 5:24 pm #

      Legal!!

      Abs

Trackbacks/Pingbacks

  1. Guia Napa Valley EUA « Mauoscar - 05/11/2010

    […] durante nossa estada no Napa Valley ainda tivemos a agradável confirmação de uma visita técnica à uma tanoaria, onde no terceiro dia antes de seguirmos viagem para o Parque Nacional de Yosemite tivemos a chance […]

Leave a Reply