Dicas e Relatos de viagens ao redor do mundo

Explorando Nova York

9

Depois de visitar o Museu de História Natural de Nova York por cerca de quase 4 horas, fui conhecer a cidade pela primeira vez, reencontrei o Diego, um amigo lá de Curitiba que já mora em Nova York a cerca de 3 anos e pouco, combinamos de nos encontrar na porta de entrada do museu, já que ainda não estava bem familiarizado com o transporte público da cidade.

O que eu menos esperava naquela hora era que ele viesse de carro, estava esperando e quando olho estava ele com o Mini parando no semáforo no outro lado da rua. Foi super legal reencontrar um amigo depois de tanto tempo.

A partir dai passeamos de carro por Manhattan, confesso que adorei a ideia já que minhas pernas já estavam super cansadas de explorar o Museu, Cruzamos o Central Park, indo em Direçao a 5ª Avenida, foi legal ver o Hotel Plaza, o Hotel do Filme Esqueceram de Mim 2 em frente ao Central Park.

Descemos a 5ª Avenida, cheio de gente fazendo compras para o Natal, ali esta concentrado uma enorme quantidade de lojas entre elas o Takashimaya, algumas lojas como da Abercrombie tinha até fila para entrar. Mas o que nos chamou atenção foram os Smarts imitando pequenos avioezinhos fazendo propaganda para a Austrian Airlines.

Seguimos Downtown em direcao a Broadway e a Times Square, nessa época de final de ano esses locais todos são tomados por turistas, boa parte deles Brasileiros, mas é super legal ver todos aqueles luminosos.

Obviamente também deu para ver no alto de um dos prédios a famosa Bola de Cristal de quase 6 toneladas e iluminada com milhares de luzes que cai seus 23 metros na noite de ano novo marcando o inicio do ano novo.

Depois disso, tendo em vista o grande tempo gasto para se deslocar seguimos em direçao a Manhattan Bridge para ir buscar o Mau no Brooklyn. A ponte de Manhattan é uma ponte pênsil que atravessa o rio East, em Nova York, ligando Manhattan (na rua do canal) com Brooklyn (em Flatbush Avenue Extension) em Long Island. Foi a última das três pontes suspensas construídas em toda a parte inferior do East River, na sequência do Brooklyn e a ponte de Williamsburg. A ponte foi aberta ao tráfego em 31 de Dezembro de 1909, a quase exatos 100 anos.

Pegamos o Maurício no Brooklyn, demos uma volta rápida pelo Financial District, vimos a Sede do HSBC nos Estados Unidos, e como já estava anoitecendo o Diego nos levou no pier 17 para a gente tomar alguma coisa, já estava escurecendo.

Estacionamos o carro ali perto do South Street Seaport, uma zona histórica quase ao lado do distrito financeiro. O Local possui alguns dos exemplares mais antigos de arquitetura no centro de Manhattan, que inclui a maior concentração de edifícios comerciais restaurados do início do século 19 na cidade. Como estamos na época de Natal havia uma árvore enorme toda iluminada, bem bonita por um momento parece que estamos na Holanda, com as casas de tijolo a vista.

Ali nas margens do Rio fica o Pier 17, um local de compras e vida noturna, com vista da Ponte do Brooklyn. Muito legal. Lá no bar que a gente foi o garçom era Brasileiro por sinal, amigo do Diego.

Decidimos comer Pizza, então o Carlos que trabalhava no Bar nos indicou uma Pizzaria Brasileira em Newark em Nova Jersey, mas antes disso fomos até o apartamento do Diego e do Scott para a gente conhecer, no caminho passamos ao lado do que um dia foi o World Trade Center. No Apartamento, conhecemos o Hugo um Cachorro deles se não me engano a raça e Buldogue, o Diego ainda preparou uma batida de Maracujá super gostosa. Seguimos então para Newark a cerca de 30 minutos de Manhattan para irmos na famosa pizzaria Brasileira, ao chegar na rua tive a impressão que não estava nos EUA, todo o comércio era Brasileiro, quase não via nada escrito em inglês.

Pedimos uma Pizza grande, metade Portuguesa e metade frango e catupiry, essa pizzaria ficou famosa no Brasil pois Luciano Huck gravou um programa, se passando por entregador de pizza no local no mês de Setembro. Newark e famosa por ter uma das maiores comunidades de Brasileiros residindo nos EUA, boa parte deles ilegalmente.

Aproveitamos para ir a um dos mercados de produtos Brasileiros, nossa parecia que estava indo a um mercadinho na praia, obviamente não tinha aquela variedade de produtos, mas mesmo assim valeu muito a pena, compramos várias coisas, desde guaraná antartica ao povilho doce para fazer o pão de queijo. Nunca pensei que encontraríamos vinho sangue de boi em garrafão, mas não é que tinha lá para vender, depois das compras voltamos para Manhattan, o Diego nos deixou no hotel e marcamos de nos encontrar novamente.

No dia seguinte o Céu estava azul sem uma única nuvem no céu, ao contrario da manha do dia anterior, mas em compensação o frio estava ainda mais severo, como Nova York tem muitos edifícios e pouca vegetação venta muito fazendo que a sensação térmica seja ainda mais congelante.

O Mau pegou um Táxi para ir ao Treinamento dele, e eu fui explorar Nova York à pé, saindo do hotel fui em direçao ao Chrysler Building na lexington Street com a 42 Leste. O Chrysler Building é um arranha-céu em estilo art déco, com 319 metros de altura e foi o edifício mais alto do mundo por 11 meses antes de ser superado pelo Empire State Building, em 1931. Depois da destruição do World Trade Center em 11 de Setembro, virou novamente o segundo edifício mais alto de Nova York até Dezembro de 2007, quando a torre foi erguida sobre a 365,8 metros (1.200 pés) Bank of America Tower, empurrando o Chrysler Building para a terceira posição, empatando com o The New York Times Building, que abriu em 2007, e tem exatamente a mesma altura do Chrysler Building. De fato ele é um dos Arranha Céus mais bonitos de Nova York, principalmente a noite.

Segui caminhando em direçao à Times Square, a famosa confluência de grandes avenidas da cidade de Nova Iorque.

A área está localizada na junção da Broadway com a Sétima Avenida, entre a ruas 42 Oeste e 47 Oeste, na região central de Manhattan. É uma área comercial, onde quaisquer prédios são obrigados a permitirem a instalação de letreiros luminosos, para propósitos de publicidade. Na Times Square está localizada a NASDAQ, a principal bolsa de valor de empresas de tecnologia do mundo. Entre seus pontos comerciais mais conhecidos estão os estúdios da rede de televisão ABC, de onde o programa matinal Good Morning America é transmitido ao vivo, bem como os famosos estúdios MTV e da Virgin Records.

O local possui uma das maiores concentrações da indústria do entretenimento no mundo, além de grandes lojas de famosas marcas internacionais, e obviamente congrega inúmeros anúncios luminosos de propaganda que durante a noite tornam-se uma atração peculiar.

Interessante também que ali uma das ruas transversais é chamada de Little Brazil, embora tenha caminhado por ela e não tenha visto quase nada que pudesse de fato dar este nome ao local.

Como estava com frio resolvi voltar até o hotel para pegar uma roupa ainda mais quente, no caminho aproveitei para ligar para a Márcia que morava em Cingapura e que agora mora em Nova York para a gente combinar de se encontrar, ela recomendou eu subir ao Empire State pois o tempo estava bom e iria piorar nos próximos dias e também não era final de semana para estar muito cheio, e assim fiz.

Esta minha primeira vez em Nova York foi especial também por que reencontrei a Maria Lúcia que foi selecionada comigo para o curso do DAAD em Leipzig na Alemanha em 2005, ela estava em um Congresso no Canadá e estava passando uns dias em Nova York antes de regressar ao Brasil, a última vez que tinha visto ela fora na minha formatura em 17 de Abril de 2009. Combinamos de nos encontrar próximo a estação do metro em Wall Street, ela estava com o namorado dela o Christian e a filha dele a Iara que mora em Nova York a cerca de 8 anos, assim que cheguei em Wall Street liguei para eles e nos encontramos finalmente quase ao lado do local onde ficava o World Trade Center. Fiquei super feliz em reencontra-la, caminhamos apesar do frio as margens do Rio Hudson, a Maria estava devidamente preparada para o Frio, com uma roupa que lembrava uma mamãe noel.

De lá conseguimos avistar a famosa estátua da liberdade localizado na entrada do Porto de Nova Iorque desde 28 de Outubro de 1886, sendo reconhecida em todo o mundo como um símbolo dos Estados Unidos. Comemora o centenário da assinatura da Declaração da Independência dos Estados Unidos e é um gesto de amizade da França para com os Estados Unidos.

Projetada e construída pelo escultor alsaciano Frédéric Auguste Bartholdi, que supostamente usou sua mãe como modelo. Para a construção da estrutura metálica interna da estátua, Bartholdi contou com a assistência do engenheiro francês Gustave Eiffel mesmo projetista da Torre Eiffel e do Correio de Ho Chi Mihn City. O cara era o cara mesmo.

Seguimos em direcao ao Wall Street, nesse interim o Maurício acabou o treinamento e pegou o metro do Brooklyn até Wall Street, pelo caminho passamos em uma praça com uma escultura que ficava localizada na entrada das torres gémeas, e que foi retirada quase que intacta e agora abriga um monumento em homenagem as quase 3000 vitimas dos atentados de 11 de Setembro.

Encontramos o Mau e seguimos até o famoso Touro em Bowling Green Park perto de Wall Street, feito com 3.200 kg de bronze por Arturo Di Modica, retrata o touro, como símbolo de otimismo agressivo e a prosperidade financeira, inclinando-se para trás em suas ancas e com a cabeça abaixada, como se pronto para cobrar . A escultura é um popular destino turístico, que atrai milhares de pessoas por dia, bem como “uma das imagens mais icônicas de Nova York” e “ícone de Wall Street”, um símbolo não oficial do Distrito Financeiro que ultimamente não esta muito para mercado do Urso do que para o Touro. Bem mas pelo visto pelo menos metade destes turistas eram Brasileiros, com uma educação admirável, por isso nem tiramos fotos nossas com o touro lá.

Seguimos adiante para a famosa Wall Street, visitamos o Federal Hall, o primeiro congresso dos Estados Unidos da América antes da mudança para Washington e local da posse de George Washington como primeiro presidente dos Estados Unidos em 30 de Abril de 1789.

Foi também neste lugar onde a constituição americana ou “Bill of Rights” foi aprovada. Embora o edifício original tenha sido demolido no século XIX e substituído pela atual estrutura, que serviu como primeira Estados Unidos Alfândega, o local tem muita historia para contar a começar pela independência dos EUA, passando pela época da quebra da bolsa de Nova York em 1929 ate chegar aos dias atuais.

Do Federal Hall se tem uma das melhores vistas para o Wall Street e para a Bolsa de Valores de Nova York, conhecida em inglês como New York Stock Exchange, criada em 1792.

A bolsa de valores de Nova York é considerada uma das mais famosas instituições financeiras da Cidade de Nova Iorque. É a maior bolsa de valores dos Estados Unidos, e, juntamente com a NASDAQ e a American Exchange, uma das mais influentes do mundo.

Pelas calçadas desta região circulam diariamente representantes de grandes empresas no mundo inteiro. E eu e a Maria Lúcia sempre tão contrários ao imperialismo Estadunidense alí a um passo do símbolo máximo do poder economico dos EUA.

Depois dali fomos almoçar no Pier 17, já que ficava ali perto, aproveitamos para tirarmos umas fotos com a Brooklin Bridge antes de nos despedirmos.

Eles foram cruzar a ponte a pé e nós seguimos para a Broadway e Times Square, tava muito frio para andar na ponte, e também tínhamos que ir para o Hotel pegar nossas bagagens pois a partir de sexta até domingo ficamos no Apartamento do Andrew, um outro IM que morou no Brasil e que atualmente mora em Nova York. Bem como a gente esta morando por aqui nos EUA vamos fazer esse passeio pela ponte quando estiver mais quente.

Deixamos nossas coisa no Apartamento do Andrew, ele havia deixado as chaves na recepção para a gente e depois pegamos o metro ate a 42 Street.

Na Times Square aproveitamos para entrar em algumas lojas famosas como a Toy R Us só de brinquedos, e na Loja da Hershey’s e da MM’s essas duas ultimas uma maravilha já que ao visita-las você ganha uma amostrinha.

Na Loja da Hershey’s eles vendem umas barras de chocolates gigantes bem como uns Potes de Xarope de Chocolate de “Itu”, mas os preços ali são mesmo para turistas, mas mesmo assim compramos um chocolatinho para comer .

A Loja da MM’s é muito legal, são milhares se não milhões de MM’s de todas as cores para você se servir, pesar e pagar no caixa, qualquer criança incluindo nós mesmo ficamos loucos, compramos MM’s das cores da bandeira do Brasil.

Seguimos caminhando até a Loja da Macy’s uma das lojas de departamento mais tradicionais de Nova York, nem preciso falar que era gigante, mas o que mais me chamou atenção na verdade foi o andar vendendo decoração Natalina coisa mais linda do mundo e as escadas rolantes de madeira super antigas.

Isso sem falar na decoração das vitrines, se não me engano o Natal do HSBC na época ainda Bamerindus foi inspirado na decoração das vitrines da Macy’s de Nova York, mas hoje o Natal do HSBC dá um show.

Encontramos o Diego para Jantar e fomos a um Restaurante Tailandês na Rua 11 muito gostoso, a Mango Salad deles estava uma delicia, de fato toda comida estava, o Diego ainda nos deu Carona até a Casa do Andrew e depois ele foi para o aeroporto pegar o Scott. Quando chegamos ao Apartamento do Andrew ele, já estava em casa, a última vez que tínhamos nos encontrado foi quando ele nos visitou com a Sherryl em Cingapura, ficamos conversando ate tarde colocando a conversa em dia, é incrível ele é inglês mas morou por apenas 18 meses no Brasil e desde então já morou em Hong Kong, Taiwan e agora em Nova York e o português dele continua ótimo.

No Sábado pela manha, pegamos o metro e seguimos para o Museu de Historia Natural, embora tivesse visitado ele de tanto eu falar dele o Mau quis conhecer também, o legal foi que desta vez não tivemos que pagar pois ele pode levar até 5 acompanhantes aos museus de Nova York gratuitamente usando o desconto corporativo. Visitamos o Museu pela manha toda, o Mau adorou o museu como eu também, dessa vez conseguimos terminar de ver o museu todo, mas ainda preciso voltar mais vezes lá mas para visitar certas exposicoes apenas e conseguir ler tudo para aprender mais.

Na hora do almoço nos encontramos com a Márcia Crivorot que morava em Cingapura assim como a gente que que se mudou com toda família para Nova York cerca de 2 meses antes que a gente deixar Cingapura, a festa de despedida deles na casa da Regina foi super legal.

Fomos almoçar na pizzaria Uno uma rede de pizzarias de Chicago a comida estava bem gostosa, de lá fomos caminhando em direcao a quinta avenida, passamos pela Columbus Circle e uma feirinha de inverno ali perto. Mas fazia um frio as rajadas de vento pareciam cortar.

Chegamos a quinta avenida passando ao lado do hotel Plaza, o hotel do esqueceram de mim 2 em frente ao Central Park, já estava anoitecendo, nessa época do ano la pelas 16:30 – 17:00 começa a anoitecer por aqui.

A quinta avenida parecia um mar de gente. Mas estava tão bonita decorada para o Natal, uma das coisas mais bonitas era uma estrela, ou seria um floco de neve gigante iluminado com uns 3m de diâmetro.

A loja da Cartier estava embalada para presente repleta de luzinhas vermelhas fazendo o efeito de uma fita ao redor do edifício, o presente. Outros edificios tambem estavam decorados o em frente ao Rockefeller estava repleto de Flocos Luminosos de Neve.

A medida que nos aproximávamos do Rockefeller Center a multidão aumentava mais e mais, todos querendo ver a famosa árvore de Natal do Rockefeller Center, que é erguida e iluminado no início de Dezembro ou final de Novembro.

Essa árvore é tão famosa que nos últimos anos, a iluminação foi transmitido ao vivo para todo o país pela NBC no programa Natal no Rockefeller Center. A árvore geralmente utilizada é o Abeto da Noruega (Norway Spruce) e deve ter uns 25 metros de altura, não tinha um hipsometro mas acho que não devo ter errado tão feio assim.

A árvore do Rockefeller Centre é colocada anualmente desde 1931. Este ano (2009), a árvore foi acesa dia 2 de Dezembro, e foi desligada na primeira semana de 2010.

A escolha da árvore para ser colocada no Rockefeller Center atualmente é feita de helicóptero, para se encontrar a árvore desejada já se sobrevoou estados como do Connecticut, Vermont, Ohio, Nova Jersey, e até Ottawa no Canadá. Uma vez que uma árvore adequada é selecionada, entra uma verdadeira operação logística de colheita florestal, uma grua suporta a árvore enquanto ela é cortada, já que não se pode deixar ela tombar para ela não ter os galhos quebrados, ela então é transportada por uma grua telescópica que pode transportar árvores de até 38 m de altura, em alguns casos como nos Alpes a colheita pode ser feita de helicóptero.

Uma vez no Rockefeller Center, a árvore é fixada por quatro cabos de aço ligados ao seu ponto de equilíbrio médio, e por uma espiga de aço em sua base. Andaimes são colocado ao redor da árvore para ajudar os trabalhadores na colocação de luzes das mais de 30.000 lâmpadas e mais de 8 km de fiação. Este ano a árvore tem uma estrela da “Swarovski”, criada pelo artista alemão Michael Hammers, aproveitamos e tiramos varias fotos, é muito popular também patinar na pista de gelo em frente a árvore, mas estava muito cheio de gente, de vez em quando a gente via um lá levando um tombo.

Ali do Rockefeller Center subimos a Quinta Avenida de Volta em direçao ao Central Park, queríamos visitar a Loja do Takashimaya em Nova York, para quem não conhece o Takashimaya é uma loja de departamentos do Japão, muito legal que tem uma loja gigante na Orchard Road em Cingapura. Diferentemente de Cingapura onde é uma loja de departamentos normal em Nova York ela é quase totalmente voltada para produtos Japoneses e ocupa um prédio de 5 andares, mas é bem menor que a de Cingapura, afinal de contas o m2 na quinta avenida não deve ser nada barato, mas tinha uma mesa feita de acácia que era a coisa mais linda, só o preço que não ela custava quase tanto quanto o nosso carro.

Nos despedimos da Márcia ali no Takashimaya, ela foi encontrar o Sérgio e nós seguimos em direçao ao Central Park, passamos pela Loja da Disney, lotadissima.

Fomos então conhecer a Loja da FAO Schwarz, talvez a loja de brinquedos mais famosa do mundo, na esquina da 5 avenida com a rua 58. A FAO Schwarz foi fundada em 1862 sob o nome de Toy Bazaar pelo imigrante alemão Frederick August Otto Schwarz, em Baltimore, onde ele e seus irmãos fundaram uma loja de brinquedos e Mágica.

Todo mês de Novembro, a FAO Schwarz realizava uma exposição de brinquedos que estariam disponíveis para a temporada de Natal, e em 1883 a loja começou a hospedar o aparecimento de “Papai Noel”. Em 1896, Schwarz proclamou a loja como a ” Sede Original de Santa Claus em Nova York”. A loja de brinquedos tornou-se conhecida por seus brinquedos de pelúcia únicos e ambiente mágico, que foi uma das pioneiras do ramo de ” varejo de entretenimento”, partindo da filosofia de que uma loja deve ser uma experiência para seus clientes.

Em Maio de 2009 a Toys “R” Us, Inc., a maior rede de brinquedos nos Estados Unidos, adquiriu a FAO Schwarz por um preço não revelado. Como resultado da aquisição, a Macy’s que possuía diversos espaços FAO Schwarz em suas lojas decidiu fechar todos eles até Novembro de 2009. Felizmente a Toys “R” Us planeja continuar operando loja FAO Schwarz, em Nova York e outra em Las Vegas.

Realmente uma experiencia incrível diferente de todas as lojas de brinquedos que estamos acostumados.Gostei da Seçao que vendia Lego com bonecos em tamanho real dos personagens de Filmes como o Batman, Senhor dos Anéis, Star Wars etc..

E nesta loja que fica o Piano Gigante do Filme Quero ser Grande de 1988 com Tom Hanks. Porém os preços da Loja são mais caros, mas vale a pena conhecer e se esquentar um pouco do frio.

Ali na mesma quadra fica a maior loja da Apple em Nova York, super Hi-Tech, cheia de gente, muitos Brasileiros diga-se de passagem. Quase encontramos a Maria Lúcia lá mas como tínhamos Jantar Marcado com o Andrew não podemos esperar.

Pegamos o Metro até o Soho onde encontramos, passamos no mercado para comprar algumas coisas que o Andrew pediu para a gente comprar. Fomos na Bath and Body Works, uma loja de coisas de Banho e Cremes muito legal. Depois encontramos o Andrew e duas amigas, jantamos em um restaurante Vietnamita muito bom chamado Café Saigon. Voltamos para Casa.

Nosso último dia em Nova York antes de voltarmos a Delaware aproveitamos para passear pela Broadway e pela Times Square mais uma vez, vimos que a Lady GaGa vai fazer alguns shows no Radio City pensamos em voltar para ver.

Vimos também algumas decoracoes Natalinas nos prédios,Bem ao estilo exagerado americano como se fossem Bolas Natalinas Gigantes, Quebra Nozes Gigantes, e Luzinhas Gigantes, bem original.

Fomos em Direçao a Chelsea encontrar o Diego e também para conhecer o Scott, Chelsea e Soho são conhecidos como Reduto Gays de Nova York, foi até engraçado que fomos sacar dinheiro no HSBC e na porta da agência havia uma bandeirinha da causa Gay.

Neste Dia a cidade parecia estar tomada de Papai Noeis, na verdade é uma festa cada vez mais popular que para entrar você tem que obrigatoriamente estar vestido de Papai Noel, chega a ser comico, ver eles bebendo e fumando na rua, imagine você estar com seu filho na Rua e ver o Papai Noel fumando ou bebendo na frente de seu filho, não é bem um bom exemplo de bom velhinho.

Falando em Papai Noel, ele chegou mais cedo esse ano e Graças ao Diego podemos comprar nossos iPhones através de um plano familiar sem ter que pagar 500 USD para cada aparelho de depósito por ainda não termos o bendito Credit History, mal pude acreditar que ganhei meu iPhone 3GS, você consegue fazer tudo com ele, simplesmente D+ .

Depois fomos a um mercado bem legal em Chelsea, numa antiga fabrica de bolachas, onde se vende frutas, verduras, secos e molhados, bem bacana, a decoração Natalina também era bastante original

Como eu e o Mau já tínhamos almoçado uma pizza em um restaurante Italiano perto da Broadway o Diego e o Scott Compraram um Sanduiche e fomos para um parque suspenso inaugurado a pouco tempo com vista ao Rio Hudson, estava frio mas o Sol estava uma delicia. Mas fomos embora depois que um camundongo resolveu aparecer

Nos despedimos deles e voltamos ao apartamento do Andrew para pegar nossas malas e nos despedir dele, seguimos de metro ate a Penn Station onde pegamos nosso trem de volta a Wilmington, não preciso nem falar que o trem era bem meia boca, pior de tudo eles não informam a plataforma com antecedencia apenas 5 minutos antes ai já viu o que acontece todo mundo querer descer por UMA isso mesmo UMA escada rolante. Se os assentos fossem marcados tudo bem!! Mas não.. Coisas dos EUA.

Índice com todos os Posts do MauOscar

Clique na Logo =>

Siga o MauOscar.com também no:

9 Comments
  1. Jenny says

    Muitoooooooo legal….

  2. viagemafora says

    Somos frequentadores e adoramos seu Blog !!
    Viajamos por 5 meses e agora temos um blog.
    Estamos mandando o link para que vc possa nos visitar e esperamos que vc goste.
    http://www.viagemafora.blogspot.com
    Agradecemos a sua visita e te desejamos um ótimo 2010.
    um grande abraço
    Antonio & Ellen

    1. Mauoscar em Dela Where??? says

      Antonio e Ellen primeiramente Obrigado pela Visita!!
      Sempre e muito bacana saber que alguem esta lendo o que publicamos aqui e ainda mais legal quando recebemos um comentario, voltem sempre.
      A proposito o Blog de Vcs esta excelente as fotos entao dispensam qualquer comentario, sempre e legal ler sobre um lugar diferente, agora morando nos EUA as viagens nao sao assim tao exoticas.
      Estou querendo arrumar meu Blogroll e o Blog de vcs certamente estara la!! Btw Obrigado por colocar o nosso Blog no de Voces.

      Um Otimo 2010 e muitas viagens!!!

  3. Mar says

    Olá! Aquela esfera do WTC estava na rua,e não no hall de um dos prédios! Estava numa espécie de praça, em frente aos prédios.
    Parabéns pelo blog!

    1. MauOscar says

      Mar

      Obrigado pela observação.. So fui conhecer NY depois que o WTC não existia mais..
      Vou colocar uma observação no texto

      Abraço

  4. Marcia says

    Olá!
    Muito legal o blog de vcs. Já fui a NY 3 vezes e sempre gosto de ouvir comentários a respeito. Vocês poderiam falar tb desses outros lugares em que moraram. Assim, poderemos “viajar” um pouco mais.

    Um abraço.
    Marcia

  5. Marcia says

    Sorry!
    Acabei de ver que já existem. Vou dar uma passeadinha, agora. 🙂

    1. MauOscar says

      Marcia 😀

      Estao todos aqui http://mauoscar.com/indice

Leave A Reply

Your email address will not be published.