Dicas e Relatos de viagens ao redor do mundo

149 – Erzgebirge

19

  Em nosso penúltimo dia de viagem pela Alemanha, saímos de Dresden e passamos rapidamente pela cidadezinha de Tharandt a caminho das serras do Erzgebirge. O propósito principal de nossa visita ao Erzgebirge era além de curtir a paisagem desta região no extremo Leste da Alemanha bem como comprar os famosos artesanatos natalinos de madeira produzidos nesta região.

Erzgebirge Cachoeira

Para dizer a verdade, decidimos passar por esta região principalmente depois que vimos um presépio de madeira desta região na Erzgebirge Haus em Cingapura, pesquisei pela Internet e consegui achar a fábrica que produzia ele na Alemanha, embora os preços sejam em Euro o valor que acabamos pagando saiu por cerca de metade do valor em Dólares de Cingapura.

 

Conhecido em Português como Montes Metalíferos, o Erzgebirge é uma cadeia de Montanhas entre a Alemanha e a República Checa, que estende-se na fronteira entre ambos os países ao longo de 150 km.

Até a Idade Média, o Erzgebirge era praticamente intocado e coberto com florestas densas. No entanto, quando a prata e os depósitos de minério de estanho foram descoberto na região no século 15, as pessoas começaram a habitar as montanhas fundando novas cidades. Devido à sua riqueza de recursos minerais, incluindo fluorita, ferro, cobre, cobalto e urânio, bem como a prata e o estanho, a região começou a ser chamada de Erzgebirge, que em alemão literalmente significa “serra de minério”.

A Prata encontrada em Joachimsthal foi usado para cunhar as primeiras moedas conhecidas como Thaler, da qual a palavra “dólar” é derivada. A mineração sempre foi o ponto forte desta região, tanto que uma das faculdades mais antigas e renomadas no mundo no que se refere a mineração e metalurgia é a Academia de Freiberg, localizada na região norte do Erzgebirge, exatamente no meio do caminho entre Tharandt e nosso primeiro destino o vilarejo de Eppendorf.

Como estas montanhas eram ricas não só em prata, mas também de urânio, descoberto no século 19. Após a II Guerra Mundial, os peritos soviéticos procuraram por remanescentes do projeto alemão de energia nuclear para apoiar o projeto da bomba atômica soviética. Uma empresa de mineração chamado SDAG Wismut operou na região de Johanngeorgstadt até a queda do comunismo, causando sérios danos ambientais à região.

Como sabemos os depósitos minerais são recursos não renováveis e com o passar do tempo passaram a se tornar cada vez mais raros, e com o início da globalização as atividades de mineração começaram a mudar para outros países e muitas das empresas relacionadas a esta cadeia produtiva começaram a fechar suas portas, principalmente após a reunificação da Alemanha, que até então a ex URSS “usou e abusou”dos recursos minerais da região.

Com o aumento da escassez de trabalho, antigos mineiros tiveram que procurar novas formas para alimentar suas famílias. As mulheres já tinham desde longa data no artesanato, fazendo rendas e tecelagem, os homens por sua vez entraram em escultura em madeira, produção de brinquedos e figuras religiosas. Atividade que até então era um hobby.

Assim, a região de Erzgebirge, já famosa por muitas tradições do Natal, começou a se transformar numa verdadeira fábrica do papai-noel. Produzindo os famosos Quebra-nozes, o Räuchermänner (bonecos de madeira em que se coloca uma espécie de incenso e ele parece estar fumando), as Piramydes (carrocéis com figuras da história de Natal ou de mineração) e o Schwibbögen (arcos de madeira com velas, atualmente lâmpadas, para ser colocado nas janelas, o que representa uma entrada da mina) são alguns dos muitos produtos de Decoração Natalina produzidos em toda região do Erzgebirge. Que também é hoje um pólo da indústria de brinquedos de madeira.

Depois de cerca de 45 minutos viajando por uma paisagem totalmente rural chegamos a Eppendorf, graças ao GPS que não sei como seria se isso não existisse, a primeira fábrica do nosso roteiro.

Nossa nem sei como descrever o local, nós nos perguntávamos será que estamos no lugar certo?? Apesar de o local ser extremamente simples o local tem seu charme, na verdade eu AMO a Alemanha desde as cidades grandes até os menores povoados. Para se ter uma ideia esta cidadezinha tem menos de 5000 habitantes e desde exatamente o ano da reunificação vê sua população encolher ano a ano, uma tendência muito comum nas cidades pequenas do leste da Alemanha.

No Momento que chegamos a proprietária veio nos atender, bem nessa região é muito importante falar pelo menos um pouco de alemão, já que todos os lugares que visitamos ninguém falava inglês, tive que trabalhar de interprete para o Mau, muito embora o Alemão falado na região é um dialeto regional que é conhecido com Erzgebirgische, mas que para mim é praticamente igual ao dialeto da Saxonia, o Sächsiche.

O local é tão rural que tinha até cheiro de Curral de Vaca, mas assim que entramos no mini show room deles, não sei o que falar, todas aquelas figuras feitas em madeira, tudo feito manualmente, um capricho só.

Bem como hoje em dia eles não podem ficar dependentes apenas do natal que acontece apenas uma vez ao ano, eles estão diversificando a produção fazendo desde gatinhos de madeira até coelhos de Páscoa de madeira.

Bem existem basicamente dois tipos diferentes de artesanatos de madeira na região, o que é esculpido a mão com uso de formao, e o que é feito em torno para madeira, eu particularmente prefiro o segundo estilo também conhecido como Drechslerei, que tem um ar um pouco mais moderno.

Outra coisa muito legal é que cada artesão tem seu estilo próprio, o que confere certa exclusividade aos produtos, pois você comprando um produto nesta região você tem a certeza que ele não esta sendo produzido aos milhões na china, infelizmente à medida que os produtos começam a ganhar prestígio inclusive internacional, como é o caso da Erzgebirge Haus em Cingapura e principalmente por ter o selinho “made in germany” faz com que seus preços sejam salgados, você visitando esses lugares você tem vontade de comprar absolutamente tudo, mas infelizmente não é possível.

Coincidentemente meu primeiro produto do Erzgebirge, um “Rauchermänchen” comprado em 2005, foi produzido pela mesma fábrica que estávamos visitando desta vez e só fui associar uma coisa com a outra quando vi a embalagem dos coelhinhos e do pinguim que compramos.

Seguimos então em direçao à nossa próxima parada, a pequena cidade de Annaberg-Buchholz, cuja tradição artesanal da região remonta ao século 18, que assim como outras cidades desta região quando a extração de estanho, prata e cobalto começou a decair, fez com que muitas famílias buscassem a sorte em outros cantos do país. Para os que ficaram, a solução foi recorrer à matéria-prima mais abundante na região, a madeira, levando ao surgimento de uma forte indústria artesanal que encontrou nos artigos decorativos de natal uma fonte de renda.

O artesanato natalino, literalmente colocou no mapa esta cidadezinha cuja população não passa de 23 mil habitantes. E que desde a reunificação alemã, atrai turistas que buscam lá os tradicionais enfeites de madeira, tornando o quebra-nozes internacionalmente famoso. E não demorou para que ele se tornasse um símbolo regional do Erzgebirge.

Hoje, é possível comprá-los em qualquer feira de Natal na Alemanha, nas mais diversas cores e tamanhos. E, embora ele seja pouco conhecido no Brasil, na Alemanha o quebra-nozes é um item de decoração natalina muito popular na Alemanha.

Mas o quebra-nozes típico de Erzgebirge, como é conhecido hoje em dia, nem sempre era vinculado ao Natal. Foi só na segunda metade do século 19 que Wilhelm Friedrich Füchtner, natural da cidadezinha de Seiffen, iniciou a produção em série do utensílio-enfeite baseado em uma ilustração do conto O rei Quebra-Nozes e o pobre Reinhold, escrito por Heinrich Hoffmann em 1851.

Esse conto de Natal relata a história de um menino enfermo que, em seus sonhos, é levado por um quebra-nozes a um mundo repleto de brinquedos. Ao acordar pela manhã, a criança encontra os brinquedos de seus sonhos junto ao pinheirinho de Natal e recupera sua saúde.

O conto de Hoffmann foi o primeiro a relacionar a figura do quebra-nozes ao Natal, relação que se mantém firme até os dias de hoje, em que já não é possível pensar em natal sem ele pelo menos na Alemanha.

Embora as montanhas do Erzgebirge há muito tempo já não escondem mais estanho ou prata a verdade é que seus habitantes encontraram uma verdadeira mina de ouro: o Natal. Que literalmente mantém viva a economia de toda região. Hoje a região tem uma taxa de desemprego de cerca 5% e pode ser considerada um verdadeiro oásis, comparado a outras regiões do Leste da Alemanha em que 15 a 25% da população está desempregada.

Infelizmente por questão de uma semana perdemos a grande feira do artesanato do Erzgebirge, em que centenas de oficinas artesanais, a maioria de propriedade familiar, levam seus produtos para exposição, mas tudo bem.

Chegamos a segunda fábrica que havíamos planejado visitar, na verdade a que estávamos de fato querendo visitar, já que lá é que o presépio de madeira que tanto queríamos era ali produzido.

O Show Room desta era bem maior e mais “organizado” que o primeiro que visitamos, as peças eram até mais bonitas, e com uma variedade enorme, o alemão da atendente era muito melhor compreensivel.

Erzgebirge Artesanato

Nós acabamos comprando o presépio em tamanho intermediário, porém a estrela estava em falta, mas não foi problema, ela foi la dentro e nossa estrela foi então feita na hora.

Além do Presépio os papai noeis eram um mais bonito que o outro, acabamos não resistindo e comprando um em tamanho intermediário com o Waldi, um cachorrinho linguiça. Coincidentemente no meu primeiro livro de alemão na escola o cachorro linguiça do livro também se chamava Waldi.

Então perguntei se era possível a gente visitar a produção deles, no inicio ela foi um pouco relutante, mas depois de conversa vai conversa vem, por sermos Brasileiros, estarmos visitando a Alemanha, vindos de Cingapura a Caminho dos EUA e eu ainda falando Alemão, ela abriu uma excessao para nós e melhor de tudo perguntei se poderia tirar algumas fotos para colocar no meu Blog e ela concordou. Normalmente visitas são permitidas apenas nos finais de semana.

Para dizer a verdade parecia que estávamos entrando na fábrica do papai noel, onde os trabalhadores não são duendes mas que transformam madeira bruta em verdadeiras obras de arte, os torneiros dão forma aos enfeites e as mulheres colorem os detalhes finais com minúsculos pincéis.

São figuras de madeira que dão vida a qualquer decoração de Natal, que decoram lares em diversos países europeus, nos Estados Unidos e até mesmo na Ásia. Com 30 empregados é um dos maiores empregadores da cidade, e envia cerca de 40% de sua produção ao exterior.

Foi realmente muito legal observar um grupo de mulheres, lixando , pintando e imprimindo os últimos detalhes aos homenzinhos de madeira, que chegam às vitrines até mesmo em Cingapura.

Embora a visitação à fabrica não seja “permitida” ver como tudo é produzido também é uma maneira de valorizar o produto e entender melhor por que os preços dos produtos são salgados, já que tudo e feito manualmente parte por parte, e mais usando mão de obra Alemã.

No final ainda conseguimos o desconto do Tax Free, já deduzido do valor da compra, no entanto teríamos que passar pela alfandega no Aeroporto de Frankfurt para pegar um carimbo e então enviar este formulário pelo correio.

Na verdade toda região passou por uma verdadeira metamorfose desde o fim do ciclo de mineração. Durante a ditadura comunista, todos os artesãos eram agrupados em cooperativas e a produção era inteiramente destinada ao mercado interno. Foi somente com a abertura para o mundo capitalista e o aumento da dependência do regime de moeda estrangeira que se passou a produzir para exportação.

Com a queda do Muro, os artesãos reclamaram o controle sobre os negócios. Não foi fácil. Eles se reestruturaram completamente e tiveram que encontrar novos clientes, lembrando que muitos desses negócios haviam sido fundados antes mesmo da Alemanha estar dividida e o sistema comunista de cooperativas ser instituído.

Lendo um Artigo da Revista Spiegel, uma das maiores revistas com circulação na Alemanha diz que uma das maiores preocupações dos artesãos do Erzgebirge é a manutenção do curso de formação em artesanato de madeira oferecido pela escola técnica local. Todo ano, cerca de 20 jovens artesãos completaram o programa de três anos. Mas o programa, que gozava do reconhecimento oficial das autoridades comunistas, corre agora risco de sumir do currículo da escola. Além do mais existe uma preocupação que, a crescente comercialização altere o caráter dessa arte secular.

Seguimos viagem em direçao a Oberwiesenthal, a cidade mais alta da Alemanha a cerca de 914 metros acima do nível do mar. E também considerada o berço dos esportes de Inverno na Alemanha.

Tudo isso graças ao trem de Fichtelberg(montanha mais alta da DDR) foi construído em meados do século 19, quando se extraíam os últimos restos de minério da antes rica serra Erzgebirge. As obras acabaram levando à introdução do esqui na Alemanha, quando um engenheiro norueguês envolvido na construção do bondinho, que iniciou os jovens da localidade nesse esporte de inverno. E em 1906 já era fundado o primeiro clube alemão dedicado ao esqui.

O Campeonato Alemão de Esqui foi aberto em 1911 em Oberwiesenthal. Em 1924, inaugurou-se o primeiro teleférico da Alemanha na montanha de Fichtelberg, com 1.214 metros de altura, que tive o privilégio de subir em 2005 quando fazia o Winterkurs do DAAD em Leipzig, foi lá em cima do Fichtelberg que peguei a temperatura mais fria até hoje -25º C. Todos nós do Winterkurs descemos a montanha de trenó mas havia tanta neve que os trenós quase nem deslizavam, minha amiga Maria Lúcia até sofreu um acidente e foi atropelada por outro bondinho, tudo ficou bem no final, mas foi um dos dias mais divertidos que já tive.

Depois de passarmos por Oberwiesenthal, decidimos não mais passar em Rothenburg ob der Tauber ou Schwäbische Hall e sim seguir direto a Frankfurt, detalhe neste dia não havíamos hotel reservado.

Graças ao nosso querido GPS, acabamos parando dentro da República Tcheca, no inicio pensei que em poucos kilometros estaríamos entrando de volta na Alemanha, quando vimos já estávamos rodando mais de 30 Km em solo Tcheco, no meio de praticamente nada, só floresta e campos, e pior dentro de 1 hora, 1hora e meia iria começar a anoitecer, para dizer a verdade estava até que curtindo a paisagem, mas a estrada foi ficando cada vez mais precária e o Mau já brigando do meu lado.

Finalmente chegamos em uma estrada principal maior, e nós apenas seguindo o GPS, comecei a ficar apreensivo quando começaram a aparecer as placas para ir para Praga, mas não era esse o lado que queria ir, então falei para o Mau colocar a cidade de Bayreuth no GPS cidade maior que lembrava que ficava meio que no caminho e relativamente próxima a fronteira com a Republica Tcheca. Moral da história estavamos no caminho certo mas acabamos rodando quase 100 Km dentro da Republica Tcheca antes de voltar para a Alemanha.

Acabamos chegando em Frankfurt por volta das 21:30, e pior não tínhamos hotel reservado, apenas a reserva para a noite seguinte, primeira tentativa foi o o hotel da noite seguinte mas o hotel estava lotado.

Depois de peregrinar mais 3 hotéis acabamos ficando no mercure perto da Hauptbanhof, e pior pagando caro, ou seja serviu de experiência não queira flexibilizar muito o roteiro, tenha sempre os hotéis reservados.

 

Índice com todos os Posts do MauOscar

Clique na Logo =>

Siga o MauOscar.com também no:

19 Comments
  1. Sandra Greuel says

    Olá, realmente a região de Erzgebirge na Alemanha é encantadora. Tive o prazer de morar 3 meses em Annaberg-Buchholz e aprendi a fazer Räuchermanner, Nussknacker e a lindíssima Pirâmide de Natal. Estou produzindo este artesanato aqui em Pomerode, SC.

    1. Mauoscar em Dela Where??? says

      Nossa que legal Sandra!! Eu morei na Alemanha por quase 2 anos, primeiro em Leipzig e depois em Freiburg na Floresta negra.
      Eu adoro pomerode!! Sempre ia a cidade desde pequeno!!
      Grande Abraço

      Oscar

  2. Fabíola says

    Olá, Oscar!

    Eu não sei se você lembra, mas, em julho, você respondeu a uma pergunta minha no VNV. Eu queria saber, de pessoas com vivência de Natal na Europa, sugestões para o meu Natal deste ano. Depois disso, eu tirei férias no Brasil e, agora que estou de volta (eu moro em Viena), retomei minhas pesquisas. Aí, resolvi ler o post que você tão amavelmente “linkou” com a resposta. Achei muito bacana! Mais do que tudo, adorei a disposição de vocês dois em ir em busca de um presépio… =)
    Estou decida a seguir sua sugestão e conhecer o Natal da Alemanha.
    E virei fã do seu blog! =)
    Abraços

    1. Mauoscar says

      Oi Fabíola..
      Claro que eu lembro.. São não sabia que era você que escreve junto com a Carolmayr o Dicas de Roteiros e Viagens 😀
      Se você mora em Vienna, com certeza você tem que conhecer os mercados de Natal na Alemanha.. É bem possivel que tenha um Weihnachtsmarkt ai também..
      Eu ando meio atrasado com o nosso Blogroll.. MAs ja add o Blog de vcs la 😀

      Volte sempre

      Bjs

  3. Fabíola says

    Oi, Oscar!
    Sou eu mesma… Mundo pequeno, né? =)
    Sim, Viena tem ótimos mercados de Natal. Que eu amo!
    Como eu já passei um Natal aqui (em 2008), estava procurando algo novo para experimentar este ano. A Alemanha é uma ótima pedida!
    Obrigada pela menção ao nosso blog!
    Eu volto! =)
    Beijão

    1. Mauoscar says

      Pois é…

      Estava aqui pensando os lugares mais legais para voce conhecer no Natal na Alemanha:
      Eu iria ate Nurnberg, Dresden e Rothenburg ob der Tauber 😀

      Bjo

  4. Lena says

    Que bárbaro este post, Oscar!! Não sabia NADA disso!!
    Quer dizer que antes da queda do muro esses enfeites lindos não eram encontrados fora da Cortina de Ferro?
    As peças são muito lindas! O Presépio valeu a perigrinação mesmo 🙂
    E a Sandra que diz que produz as peças em Pomerode , bem que podia voltar aqui e dizer onde elas podem ser encontradas, não? 😉
    Beijos,

    1. Mauoscar says

      Oi Lena..

      Legal saber que você leu e gostou deste Post.. Então a região do Erzgebirge na Alemanha esta no estado da Saxônia e os Saxões desde a idade média são conhecidos pelas suas habilidades com trabalhos manuais… Por exemplo a feira de Natal mais antiga da Alemanha acontece em Dresden que é a capital da Saxônia. Com a Cortina de Ferro estes produtos não conseguiam chegar ao mundo ocidental.. Hoje em dia depois que os recursos minerais da região foram quase que totalmente exauridos ou que sua exploração não é economicamente viável o artesanato tem se tornado uma das opções de subsistencia daqueles que se recusam a migrar para cidades maiores especialmente no antigo lado Ocidental.
      Se você quiser eu consigo o email da Sandra em Pomerode para você deve estar aqui no comentário dela 😀
      Bjs

  5. Érika Sandes says

    OlÁ!
    Muito interessante seu blog!!!Adorei este post!Meu sonho de adolescente era conhecer a Alemanha, infelizmente isso ainda não foi possível!!
    Tamb´´em faço artesanto e adorei estes de Erzgebirge.
    Depois me faça uma visita!
    http://www.coisasdeerikota.com
    Abraços!

    1. MauOscar says

      Érika

      O Erzgebirge não é uma região muito turística da Alemanha, mas para quem curte artesanato esse é certamente um dos melhores lugares para se visitar…
      Eu desde pequeno sempre sonhava em conhecer a Alemanha, fui atrás do meu sonho e consegui 2 bolsas para ir estudar lá… Depois disso acabei voltando outras 2 vezes só para matar as saudades..
      Abraços

  6. Francielle Santana Buchholz says

    quando comecei ver as votos meus olhos se echeram de lagrimas,e realmente tive certeza de que quero conhecer esses lugares,sou facinada pela Alemanha,amei suas fotos.Voce e uma pessoa iluminada e com muita sorte por poder contemplar lugares como esses.Parabens

    1. MauOscar says

      Francielle

      Conhecer a Alemanha sempre foi um sonho para mim tambem… Tive a oportunidade de acabar morando um tempo lá e conhecer uma porção de lugares incriveis, entre eles o Erzgebirge…
      Desde então voltei a Alemanha outras 2x e não vejo a hora de voltar…
      A Alemanha é mesmo fascinante e será para sempre um dos meus destinos favoritos…
      Basta correr atras de seus sonhos para que eles se realizem…Obrigado pela visita e espero vela por aqui novamente, de preferencia contando como foi sua viagem para a Alemanha 😀

  7. BARBOSA says

    Boa tarde Oscar.
    Sou representante comercial de Brinquedos Educativos de Madeira, no interior de São Paulo, e sei da qualidade do produtos alemães, inclusive da feira de Nuremberg, que nunca fui, mas é muito famosa.
    Gostaria de saber, se teria como fornecer algumas empresas, que poderia estar representando aqui no Brasil, pois as daqui estão sem criatividade.
    Parabéns pelas fotos postadas, para mim que tenho educativo de madeira no sangue, achei muito rico os seus detalhes.
    Aguardo.
    Obrigado

    1. Oscar Risch - MauOscar Blog de Viagens says

      nome de empresas?

  8. Mara Freitas says

    Prezado Oscar
    Conheci teu blog através de outro denominado Minas de Mim. Gostei muito ver todas estas aventuras em busca de um presépio. Também gosto muito de colecionar presépios, mas estou apenas no começo. Expor meus presépios é uma alegria que sinto no período especialmente importante do Advento e do Natal. Obrigada pelos informes e pelo incentivo que você dá de buscarmos nossos sonhos. Já fui à Europa, mas ainda não conheço Alemanha, apesar de ser a terra meus avós. Moro em Porto Alegre, sul do Brasil. Gostaria de receber informes seus através do blog ou do e-mail. Vou procurar sempre lê-los. Continue assim, feliz com a vida e passando esta felicidade a quem o ler.
    Obrigada e abraço!

  9. Filipe says

    Bom dia Oscar,

    quero muito visitar estas cidades e comprar milhares de quebra-nozes.
    Qual você acredita que encontrarei mais facilmente? Annaberg-Buchholz?
    E onde ficam estas fábricas que vocês visitaram?

    Parabéns pelo blog,
    obrigado
    Filipe Nogueira

    1. MauOscar says

      Anaberg é a principal… Mas em toda essa regiao voce encontra eles

  10. Renata says

    Me apaixonei por esse presépio de madeira. Poderia me indicar o nome da fábrica que o produz para tentar localizar ? Obrigada

  11. Paulo says

    Bom dia, amigo. Gostaria de saber se é possível comprar este presépio pela internet.

Leave A Reply

Your email address will not be published.