Dicas e Relatos de viagens ao redor do mundo

104 – Expatriados e a Crise

1

Saiu no Final da Semana passada uma pesquisa encomendada pelo HSBC Bank International, O Expat Explorer é o maior levantamento global de expatriados. Agora em seu segundo ano, a pesquisa contou com mais de 3.100 expats que descreveram as oportunidades e os desafios que eles enfrentam vivendo longe de casa. O estudo fornece uma visão abrangente de como a vida de um expatriado difere de país para país, continente a continente.

Na edição 2009 12 novos países foram incluídos representados por expats de 29 diferentes segmentos da industria.

O documento todo inglês, traduzi algumas partes mais interessantes para o português, como meu teclado não tem alguns acentos gráficos algumas vezes eles ficaram esquecidos já que meu corretor ortográfico do google não pega todos os erros.

Capa Expat Explorer 2009 HSBC

Segundo a Pesquisa o Ranking dos 26 paises pesquisados e o seguinte:

1- Russia Novo em 2009

2- Qatar Novo em 2009

3- Arabia Saudita Novo em 2009

4- Hong Kong

5- Emirados Arabes Unidos

6- Cingapura

7- Japao Novo em 2009

8- Bahrein Novo em 2009

9- India

10- Malasia Novo em 2009

11- China

12- Suica Novo em 2009

13- Africa do Sul Novo em 2009

14- Vietnam Novo em 2009

15- Tailandia Novo em 2009

16- Mexico Novo em 2009

17- Estados Unidos da America

18- Brasil Novo em 2009

19- Reino Unido

20- Paises Baixos

21- Canada

22- Belgica

23- Alemanha

24- Australia

25- Espanha

26- Franca

A riqueza está se movendo Oriente

A Ásia é a casa dos mais bem pagos expats do mundo, enquanto os seus homólogos mais pobres pode ser encontrados na Austrália e na Europa Ocidental.

A maior proporção de expats que ganham mais de US$ 250.000 estão na Rússia (30%), seguido por Hong Kong (27%), Japão (26%), Suíça (25%) e Índia (25%) em comparação com uma média mundial de 16%. Os expatriados mais mal-pagos vivem na Austrália (63%) e na Bélgica(61%), com os expatriados ganhando menos de US$ 100,000. Sendo a media global 35%.

Países asiáticos estão entre os mais baratos para viver, com expatriados na Malásia, China e Índia encontrando alojamento muito mais baratos do que eles encontrariam em seus países de origem (50%, 49% e 43% respectivamente pagando muito menos para a acomodação, em comparação com 26% entre os expatriados a nível mundial).

Onde estao os expatriados mais ricos do planeta

Onde estao os expatriados com os expatriados mais ricos

As pessoas poupam mais quando eles se tornam expats

Muitos expatriados são capazes de tirar partido da sua mudança para outro país, a fim de aumentar a quantidade de dinheiro economizado.

Mais de dois terços (68%) dos expatriados relataram que eles estão economizando e investindo mais desde que se mudaram de seus respectivos países de origem, esse número sobe para 80% quando se tratam de altos cargos executivos. Apenas 14% dos expatriados disse que eles estão economizando menos que quando eles eram residentes nos seus países de origem.

Expatriados na Arábia Saudita, Rússia e Catar conseguem poupar mais que quando se mudaram do seu país de origem do que expats qualquer outro em outro país (90%, 97% e 98% respectivamente).

Além dos métodos tradicionais de investimento no sistema financeiro como em poupança, ações e fundos geridos.  Imóveis foi uma opção muito popular no Bahrein e da África do Sul (68% e 73% de expatriados nesses países escolheram aplicar seu dinheiro na construção civil), enquanto 68% dos expatriados no Japão escolheu fundos geridos.

O colapso dos mercados globais desanimou os investidores na Ásia, porém ainda e popular entre expatriados, em Hong Kong, Japão e Malásia.

Expats originários da Alemanha e Brasil são os mais relutantes em investir em imóveis, apenas 21% e 22% colocam seu dinheiro neste tipo de aplicação, em comparação com 46% média global.

Como Investem o Dinheiro

Como eles investem o Dinheiro

A crise de crédito mudou a vida dos expats

Quando perguntado se a crise no credito tinha mudado a sua atitude com seus  gastos, 63% dos expatriados espalhados pelo mundo disseram que sim. Os expatriados mais afetados foram aqueles baseados na Rússia, E.U.A. e Japão (73%, 74% e 76% ) dos expatriados provenientes desses países, respectivamente disseram que a crise do crédito mudou suas atitudes frente à despesa e poupança). Surpreendentemente, quase três quartos (72%) dos expatriados baseados na Tailândia relataram que recessão global teve um impacto sobre o que eles gastam, apesar de relatarem que a Tailândia é um dos mais baratos lugares para se viver, em comparação com outros locais do mundo.

Em contra partida, dois terços (63%) dos expatriados que vivem no Catar disse arroxo no crédito não iria alterar os suas atitudes. Expatriados que vivem em Bahrain também relataram que a crise não afectou significamente as suas vidas (55% disseram que sua atitude em relação aos gastos não mudaria) – indicando que, de acordo com esta investigação, o Oriente Médio não tem sido tão duramente atingido pela arroxo do crédito que as outras regiões. Quando perguntado como eles mudaram os seus estilos de vida, mais de metade (60%) dos expatriados mundial disseram que cortariam supérfluos, 54%  reduziria suas despesas no dia-a-dia e 36% afirmaram que estavam guardando mais para os tempos difíceis.

Apenas 2% dos expatriados afirmaram que gastariam mais este ano do que gastaram em 2008.

Curiosamente, foram os expats que vivem no Canadá e da Arábia Saudita os mais inclinados a gastar mais do que poupar cerca de (8%) relataram este comportamento.

Aqueles menos provável para reduzir supérfluos foram os expatriados que vivem no Catar (44%), Arábia Saudita (44%), Brasil (45%) e surpreendentemente, a Rússia (45%) – no caso do custo de vida fora relatada a ser elevado. Entre os expatriados que vivem nos E.U.A e no Reino Unido, também não se mostraram dispostos a reduzir supérfluos, mas esse grupo também considera muito provável voltar para casa devido à crise económica global.

Entre as principais razões para a escolha de uma repatriação estão:

Oportunidades Limitadas de Carreira (28%)

Reduzido valor pelo dinheiro (19%)

Não ter como manter um excelente padrão de vida (16%)

Menor tempo de contrato (15%)

No entanto, apesar da crise global,  a grande maioria dos expatriados entrevistados (85%) disseram que não estão dispostos a regressar aos seus países nativos.

Como estao fugindo da Crise

Como estao lidando com a Crise

O Reino Unido continua a ser um dos locais  mais caros para expatriados se viver

O Reino Unido emergiu como um destino caro em muitas categorias.  Em comparação com a vida no seu país natal, uma elevada proporção de expats no Reino Unido afirmam que agora gastam mais em alojamento (79%), transporte (68%), lazer (62%), serviços (61%) e entretenimento (58%).

Na verdade, expatriados no Reino Unido são os que gastam mais do seu rendimento em alojamento que expatriados que vivem em qualquer parte do mundo. (85% dos expatriados baseados no Reino Unido colocam moradia como sua maior despesa).

O segundo e terceiro itens relacionados que eles gastam mais dinheiro foram alimentos e entretenimento. Mundialmente, 74% dos inquiridos afirmam ter aumentado o rendimento disponível para poupança desde que se tornou expat, mas esse número cai para apenas 47% dos expatriados que vivem no Reino Unido. Em comparação, 72% dos expatriados nos E.U.A. dizem que têm mais renda disponível do que antes, 87% nos Emirados Árabes Unidos, 76% na Suíça (que também é perceptível a ser o país mais caro para ser um expat), e um esse numero salta para 98% na Arábia Saudita.

 Comida é oficialmente um dos maiores custos para os expatriados no Reino Unido, com 68% de expatriados alegando que estão gastando mais na Grã-Bretanha que em seu pais de origem com este quesito. O único país que tem custos mais elevados dos alimentos é a Suíça. Em contra partida, 62% dos expatriados nos E.U.A. gastam menos com alimentos do que eles faziam em seus países nativos. Em termos de entretenimento os custos, mais de metade dos entrevistados (58%) gastam mais no Reino Unido do que em seu pais de Origem.

No Quesito Transporte 78% dos expatriados concordam que pagam mais para os transportes no Reino Unido do que em qualquer outro lugar. Quando a média mundial e de apenas 30%.

Percentagem de Expats na Inglaterra poupando em relacao ao resto do mundo

Percentual de Poupanca entre os expats na Inglaterra

Indicador de Quanto a Crise afetou os expatriados

Crise no Mundo

No eixo X referindo-se a red. em gastos essenciais

No eixo Y referindo-se a red. do grau de poupanca

Reino Unido UK

Duramente atingidos pela crise, muitos voltaram ou voltarão para casa mais cedo.

Expats no Reino Unido têm geralmente um dos mais baixos rendimentos, com cerca de um quinto deles ganhando US$ 60.000 ou menos. Expats no Reino Unido também têm menos renda disponível que os seus homólogos em outros países, vivenciando um muito maior aumento no custo do moradia do que expatriados que se deslocam para outras regiões (79% em comparação com 48%).

Na verdade 86% classifica esta como a sua maior despesa. Em resposta à crise econômica, três quartos dos expatriados no Reino Unido (75%) têm reduzido as suas despesas essenciais sobre dia-a-dia itens. Quase metade (44% – o valor mais elevado registado em toda a pesquisa) dos expatriados do Reino Unido estão a ponderar se voltam para casa ou não, tendo em conta a atual crise financeira. Isso proporciona um gritante contraste quando comparada com a média de apenas 15% dos expatriados global que estão considerando a mesma jogada.

Expats no Reino Unido foram os investidores a nível mundial mais atingidos pela crise atual, com mais de um quarto (27% – o mais elevado registado na pesquisa) dizendo que eles tinham reduzido as suas poupanças e investimentos, quando comparados com a vida no seu país de origem.

Estados Unidos

USA

Os entrevistados que vivem nos E.U.A. experimentaram um aumento no custo da sua assistência medica, talvez devido à forma em que o seu sistema de saúde é financiada, com 35% gastando mais dinheiro do que antes que se deslocam para o país.

A crise económica levou alguns expats nos  E.U.A a relatar algum grau de aperto nos cintos. Eles afirmam ter cortado gastos no dia-a-dia (63% nos E.U.A vs 54% em média) e serviços públicos (41% vs 31%).

No entanto, devido a outras despesas, em expats os E.U.A não estão conseguindo economizar mais do que a média mundial durante a crise. Apenas 39%, em comparação com um valor global de 36%, segundo o relatório pouco mais de metade, 58% dos expatriados que vivem em os E.U.A dizer que eles são capazes de investir ou poupar mais agora do que eles fizeram antes de se afastando de seu país de origem. No entanto, 68% dos expatriados em nível médio global estão economizando mais dinheiro que antes de mudarem de pais.

Ligeiramente mais expatriados com base nos EUA, estão a ponderar voltar para casa do que a média mundial (22% em comparação com 15%) e a razão mais frequentemente citada é cada vez mais as limitadas perspectivas de carreira.

Austrália

AUS

Custos mais elevados, menor salário, mas ainda com capacidade de poupar mais que alguns países faz a Austrália um dos países mais mal posicionados na pesquisa, com expats ganhando menos do que muitos outros países.

Mais de metade (63%) dos entrevistados relataram ganhos de ate US$ 100.000. Apesar deste baixo salário, perto de três quartos dos expatriados (70%) disseram que tinha mais rendimento disponível do que seu país de origem.

Expatriados na Austrália relataram que experimentaram um aumento de custos ao longo do ultimo ano em uma série de diferentes despesas, incluindo alimentação, moradia, serviços públicos e saúde, todos os superiores a média mundial. Saúde foi identificada como um custo particularmente elevado para expatriados na Austrália, quando comparado com o seu país de origem (61% vs 41% do total).

Expatriados na Austrália, com mais de metade dos entrevistados (56%), indicam que eles possuem um imóvel no pais (em comparação com 31% do total) e mais de dois terços (68% em comparação com 54% do total) dizendo que eles tentaram economizar nas despesas do dia-a-dia como um resultado da crise financeira mundial. Perto de dois terços (60%) dos expatriados na Austrália conseguiram aumentar as suas poupanças e investimentos, em comparação com seu país de origem, com investimento em carteiras de baixo risco sendo a opção mais popular de investimento (72%), seguido pelos imóveis (42%)
e acodes (40%). Apesar de mais de metade (63%) dos expatriados dizendo que eles mudaram sua atitude em relação aos gastos, como resultado da crise, um grande número de expatriados na Austrália são felizes e pretendem permanecer no pais.

Cingapura

Cingapura Flag

  Expats em Cingapura vivem em um padrão de vida elevado

O pais e o 7 º colocado no que se refere a rendimento disponível, com mais de três quartos (76%), indicando que eles têm mais dinheiro quando comparado ao seu país de origem. Quase metade (47%) dos expatriados que vivem em Cingapura segundo o relatório tem mais de  4.000 dólares de rendimento disponível, uma percentagem só ultrapassada pelo Japão, Catar, Arábia Saudita, Hong Kong e Rússia.

Grande parte (44%) dos expatriados em Cingapura gastam mais em moradia do que os seus homólogos de outros países. Entretenimento e saúde também configuram como custos mais elevados para expatriados em Cingapura, quando comparado com a média global. De acordo com um tema notado em toda a Ásia, dois terços dos expatriados em Singapura (64%) reduziram as despesas supérfluas, em resposta ao clima economico atual.

Três quartos dos expatriados em Cingapura pouparam mais do que fez em seu país de origem. Poupança e investimento de baixo risco foram as opcoes de investimento mais populares com (59%), seguido de perto pelos fundos (51%) e ações (51%).

Quase todos os expatriados em Singapura (91%) dizem que eles não consideram voltar para casa devido a crise economica (em comparação com 85% a nível mundial). Dentre o grupo que respondeu que estava pensando em voltar para casa, a duração reduzida dos contratos foi apontada como principal fator destacado e foi superior à média mundial (28% vs 15%).

 Emirados Árabes Unidos

EAU

Os EAU surge como um local ideal para expats no que se refere a questão financeira, com um aumento na sua renda mensal após mudar-se para os EAU 87%  dos entrevistados relatam receber mais nos EAU que em seus respectivos países de origem quando a media global e de 74% do total, e mais de metade 56% tem um rendimento disponível igual ou superior a US$ 3.000 por mês.

Mais de dois terços (67%) dos expatriados gastam mais em acomodação do que eles faziam antes de Mudar para os EAU. Mais dinheiro é gasto em ferias por expatriados nos Emirados Árabes Unidos (66%), destacando-se o transporte como uma das despesas menores do orçamento, mais da metade dos expatriados nos Emirados Árabes Unidos (51%) afirmaram que agora gastam menos dinheiro em transportes do que no seu país de origem.

Expatriados nos Emiratos Árabes Unidos afirmam ter uma acentuada melhoria no quesito “itens de luxo”, onde 62% dos respondentes afirmaram que tem pelo menos um empregado em sua residência e 55% possuem mais de um carro. Eles também guardam mais agora do que antes da sua transferência (82% vs 68% do total), com 49% de expatriados investindo em fundos geridos. Poupança foi também a escolha mais popular entre os expatriados nos Emirados Árabes Unidos, com mais de dois terços (69%).

Mais de dois terços dos expatriados nos Emirados Árabes Unidos afirmaram que as suas atitudes face às despesas mudou como resultado da crise econômica, porém mais de três quartos dos expatriados (82%) que vivem nos Emirados Árabes Unidos também disseram que não consideram voltar para casa.

 Hong Kong

HK

Apresenta a maior proporção de expats ganhando mais de US$ 250.000 anuais (27%) em comparação com outros países, com mais de um terço dos expatriados (39%) com rendimento anual superior a US$ 200.000. Uma grande proporção de expatriados que vivem em Hong Kong (89%) também relataram ter mais rendimento disponível para investir do que faziam em seu país de origem, com quase metade (48%) podendo investir mais de US$ 4.000 mensais.

No entanto se gasta mais em alojamento, alimentação e entretenimento. Dois terços dos expatriados em Hong Kong (67%) afirmaram que gastam mais de acomodação, com quase metade (46%) dos entrevistados identificando que agora gasta MUITO mais. 62% dos expatriados disseram que gastam mais em alimentação, enquanto que mais de metade (53%) disseram que usam mais dinheiro para a diversão.

Expats em Hong Kong tendem a atribuir mais dinheiro para investimentos e poupanças que os seus homólogos (81% vs 68% do total) e revelam uma maior preferência por investir em ações do que a média mundial (62% vs 45% do total). Contas de poupança são uma outra escolha popular (62%), seguido por fundos geridos (48%) e imóveis (45%).

Artigos de Luxo foram novamente uma deixados em segundo plano como despesas que foram reduzidas em resposta ao clima economico mundial, e quase todos os entrevistados em Hong Kong (92%) disseram que não consideram voltar para casa como um resultado da crise económica.

França

FRA

De acordo com a pesquisa, a França foi classificada como a pior localização para um expatriado no quesito finanças. Mais da metade dos entrevistados na França revelaram que a sua renda era inferior a US$ 100.000. Um terço dos inquiridos (31%) também revelou que tinham menos renda disponível para investir, quando comparado com o seu país de origem, com mais de três quartos (77%) dizendo que tinham menos de US$ 2.000 dólares disponíveis por mês.

A França foi também revelou ter os expats com menor poupança, com apenas pouco mais de um terço (39%) dizendo que eles investem mais do que o seu país de origem, o valor mais baixo registado na pesquisa.

França continua a ser um destino popular para os aposentados, mais de um quarto (28%) dos expatriados vivendo na França são aposentados, em comparação contra a média global de 7%. Pessoas acima de 55 anos perfazem 42% dos expatriados no país.

A crise econômica se traduziu em mais de metade (55%) dos expats na França através do cortes nas despesas do dia-a-dia, além de outros supérfluos. Mais de três quartos dos expatriados com base na França (86%), porém, disseram que não consideram voltar para casa como um resultado da crise economica.

Rússia

RUS

No topo da lista e a casa dos expats mais ricos do planeta. Quase todos (97%) expats na Rússia tem mais rendimento disponível desde se deslocaram de seu país de origem. 59% dos expatriados na Rússia dizem que eles têm mais de US$ 4.000 na renda disponível, que é a segunda maior percentagem, só ultrapassada pelo, Qatar. Quase metade dos expatriados na Rússia (43%) também disseram que ganham mais de US$ 200.000 por ano.

Quase três quartos (70%) dos expatriados na Rússia admitem ter dinheiro suficiente para contratar um empregado domestico desde que se mudaram para lá, em comparação com a média global de 48%. O mesmo percentual alega gastar muito mais com os alimentos do que anteriormente, apesar de dois terços dos expatriados na Rússia dizer suas contas de serviços básicos como agua, luz, gás e telefone tenham diminuído. Um grande número de expatriados russos (97%) dizem que eles estão economizando mais e investindo mais dinheiro, quando comparado com o seu país natal e mais de dois terços (68%) aumentaram as suas economias como um resultado directo da crise financeira mundial. Poupança foi mais uma vez, a escolha mais popular (70%), seguido por imóveis (60%) e ações (57%).

Embora três quartos dos expatriados na Rússia (73%) mudaram seus hábitos como um resultado da crise econômica, 83% responderam que não consideram deixar a Rússia.

“Ser uma expat na Rússia significa menos imposto de renda,  um maior salário líquido, mais rendimento disponível, maior padrão de vida e uma menor carga tributaria pelo governo”

 Tailândia

THA

Duramente atingida pela crise a Tailândia tem sido um dos locais mais afetados pelo arroxo de crédito, com quase três quartos (72%) dos expatriados que vivem no país dizendo que sua atitude frente as despesas havia mudado mudado como resultado da crise económica. A redução de gastos tem sido vista em artigos essenciais e itens de luxo e no que se refere  a manutenção domestica.

Quase três quartos dos expatriados na Tailândia (70%) têm reduzido as suas despesas em itens essenciais. Mais de metade dos expatriados (51%) também reduziram os seus gastos em artigos de luxo, tais como férias e atividades de lazer, em resposta ao atual clima economico. Esta é uma tendência observada em grande parte da Ásia.

A maioria dos expatriados na Tailândia achar que gastam menos dinheiro em vestuário do que eles fizeram quando vivem em seu país natal com 76% alocando muito menos de seus rendimentos com vestuário, em comparação com 37% entre os expatriados a nível mundial.

Mais de um quarto dos expats na Tailândia (26%) também afirmaram que eles estão agora destinando mais dinheiro para a poupança e os investimentos. Apesar deste efeito óbvio do Creditá Crunch, a Tailândia, contudo, é o lar de algumas das mais ricas famílias de expatriados, com mais de metade dos entrevistados na Tailândia (55%) ganhando mais de US$ 100.000 por ano. Um terço dos expatriados (32%) também têm mais de 3.500 dólares por mês de renda disponível, quando comparado com seu país de origem. Expatriados na Tailândia também não consideram regressar ao pais de origem, como resultado da crise, com uma esmagadora maioria de 94%.

Índice com todos os Posts do MauOscar

Clique na Logo =>

Siga o MauOscar.com também no:

1 Comment
  1. […] Clique aqui para saber mais […]

Leave A Reply

Your email address will not be published.