Dicas e Relatos de viagens ao redor do mundo

Jogjakarta

0

Na Sexta Feira dia 22 de Maio, embarcamos para Jogjakarta na Ilha de Java na Indonésia, pegamos o MRT ate o aeroporto, la fizemos nosso Check-inn e entramos para o embarque, aproveitamos o tempo cerca de 1 hora e 20 minutos antes de o voo sair para dar uma volta pelo Dutty Free, aproveitamos e compramos uma caixa de Ferrero Rocher para darmos a Inge, amiga de uma amiga do meu curso de inglês que arranjou um motorista para que pudéssemos conhecer a cidade, acabamos comprando uma caixa de Kit Kat Chunk, não entendo por que a Nestle tirou esse chocolate do Brasil ele e 10 x melhor que Bis, esse Chunk então não tem palavras.

 Singapore

Depois de passar pela inspecao de bagagem 2 x, controle na imigração, finalmente fomos para nosso embarque, nosso voo era Airasia, logo saiu do Terminal 1, nossa aeronave era um A320 o mesmo operado pela TAM no Brasil, e melhor de tudo pagamos apenas 138 Dólares de Singapura mais 15 dólares por trecho para pegar o assento no exit para ter maior espaço para as pernas, depois de cerca de quase 2 horas de voo chegamos ao aeroporto Internacional Adisucipto, como estávamos na primeira fileira fomos os primeiros a desembarcar, e assim não perdemos tanto tempo na fila para fazer o visto upon on arrive, apenas um funcionário para fazer os vistos de todos estrangeiros que precisam de visto para entrar na Indonésia, imagine o tamanho da fila, mas nos por sorte fomos os primeiros, mas mesmo assim por conta da gripe suína tivemos que entrar em outra fila para passarmos por uma desinfecção, se não bastasse a alfandega queria que todos os passageiros preenchessem a declaração de bens, enfim para nada.

A Inge, amiga da Dita que mora em Jogjakarta foi nos pegar no aeroporto com o motorista amigo dela o Doddy, na hora que chegamos não sabia quem ela era, ai na hora que íamos mandar um SMS ela perguntou se era eu, nos apresentamos e seguimos ate o hotel para fazer o Check-inn, pelo caminho passamos pelo palácio do Sultão e a área onde seus criados moram, toda a área considerada Real e cercada com um muro branco que o estilo lembra bastante o estilo colonial português.

Jogjakarta

No caminho perguntamos se eles sabiam se havia algum ATM do HSBC na cidade, eles não sabiam, lembrei que o HSBC havia comprado no ano passado um banco na Indonésia chamado Ekonomi, ai eles sabiam onde havia um ATM, fomos ate la, tentamos sacar mas o sistema ainda não devia estar interligado, acabamos não conseguindo sacar.

Chegamos ao Hotel e fizemos nosso Check-inn  o hotel ficava bem escondido, e na verdade podemos chamar de pousada, o local super simpático com um jardim impecável de dar inveja, o melhor de tudo que a diária também era bem em conta. Deixamos nossas coisas no quarto, e saímos para explorar a cidade.

Duta Garden

Como chegamos logo depois do meio dia, decidimos ir almoçar, eles recomendaram um restaurante de comida típica indonésia, nos aceitamos obviamente, bem ao chegar la o local não parecia grande coisa, mas enfim se eles estavam recomendando o local tinha que ser bom. Embora conseguiria ficar sem almoçar o Mau achou chato não almoçarmos pois a Inge e o Doddy não haviam almoçado, mas o que eu realmente estava preocupado era com o tempo de chuva que começava a se formar.

Restaurante

O Legal do restaurante era que podemos comer numa “barraquinha” com vista a um campo de arroz, bem nessas horas nossas nocoes básica de higiene tem que ser deixada um pouco de lado, como o cardápio estava todo em Bahasa Indonésia a Inge que escolheu, só perguntava se gostávamos disso ou daquilo, para beber pedimos uma fanta.

Inge

Alguns minutos depois chegou nossa fanta, para nossa surpresa Fanta na Indonésia não e feita de laranja, mas sim de morango, acho que e o único pais no mundo que o principal sabor da fanta não e laranja, bem o restaurante aceitou em trocar, nossos anfitriões pediram um chá mate com limao, trocaram então por Coca. Bem na verdade se não bastasse a coca estar a uns 45 C o copo com gelo que eles trouxeram era uma coisa imunda, e eram todos os copos assim, estávamos com locais, então falamos um para o outro se eles estão vivos isso não mata, mas de fato foi difícil tomar aquela coca sem pensar na sujeira do copo.

Culinaria Javanesa

Enquanto aguardávamos os nossos pratos reparei algumas formigas vermelho –amareladas caminhando sobre a cerca de arame farpado, tirei algumas fotos bem legais e i interessante e pensar que embora lembre nossas formigas no Brasil, ate onde eu sei elas não são forrageiras.

Formigas

Nossos pratos finalmente chegaram, bem o cheiro estava gostoso, mas estava com certo preconceito por conta da imundice do copo, ficava só imaginando como poderia ser a cozinha daquele local, entre os pratos havia um peixe que acredito ser linguado, uns legumes cozidos com fígado de galinha, umas coisas a milanesa que acredito ser camarão, mas não era muito gostoso e arroz obviamente. Bem para dizer a verdade a comida era gostosa, mas higiene e algo fundamental para mim. E quando passamos pela cozinha na hora de ir embora, sem comentario!!

Comida Indonesia

Terminamos de almoçar, tirei algumas fotos do campo de arroz que e plantado diferente do que no Brasil, no Brasil as sementes são lançadas, aqui na Ásia eles colocam as sementes para germinar e depois plantam em maços.

Arroz

Decidimos ir visitar o templo Indiano de Prambanam, interessante que na região apesar de ser um sultanato existe dois templos um indiano e outro budista ambos considerados património Cultural da Humanidade pela UNESCO.

Prambanam Entrada

Para chegar ate la foram cerca de 45 minutos de carro, no caminho cada vez mais o tempo ameaçava chuva, mais ou menos na metade começou a chover, naquela hora estava com muita raiva, mas por sorte em direcao onde ficava o templo o tempo estava mais claro, decidimos arriscar e começamos a rezar para não pegar chuva.

Oscar e Mau Prambanam

Finalmente chegamos ao local, não havia chovido la, o tempo não estava muito católico, mas não estava chovendo o que e uma grande coisa, como todos os lugares turísticos aqui na Ásia, havia um mercadinho com artesanato no local.

Para nossa felicidade estrangeiros pagam mais caro para visitar o local, apesar de ter um centrinho de visitantes com certa estrutura pagamos mais de 10x mais caro que os locais e a gente nem tem como enganar, mas Brasileiro sempre da seu jeitinho, como estudante paga meia entrada tínhamos que conseguir entrar desse jeito. Bem eu tinha a minha carteirinha de estudante comigo, o mau infelizmente não, ai tivemos a brilhante ideia de mostrar a carteira de motorista do Brasil, como ela não tem nada escrito em inglês daria para dar o golpe, eles relutaram um pouco mas no final acabaram vendendo a meia entrada para o Maurício, que apesar de meia entrada custou 6 dólares Americanos, isso e muito dinheiro para Indonésia.

Prambanam Complex

Prambanan é o maior templo hindu em Java Central, na Indonésia, localizada aproximadamente 18 km a leste de Jogjakarta.

O templo é um Património Mundial da UNESCO, monumento no. 642 e é um dos maiores templos hindus no sudeste da Ásia. É caracterizada pela sua altura e arquitectura típica do templo hindu, e pela torre central de 47m de altura dentro de um grande complexo de templos individuais.

UNESCO

Foi construído por volta de 850d.C por Rakai Pikatan, rei da segunda dinastia Mataram, ou Balitung Maha Sambu, durante a dinastia Sanjaya. Não muito tempo depois da sua construção, o templo foi abandonado e começou a deteriorar-se. Reconstrução do complexo teve início em 1918. O edifício principal foi concluído em cerca de 1953. Grande parte do trabalho em pedra original foi roubada e reutilizados na construção de sites em locais remotos.

Infelizmente o templo foi seriamente danificado durante o terremoto em Java, em 27 de maio 2006, que ocorreu as 05:50 e atingiu 5.8 na escala Richter. Embora em primeira vista  estar tudo em ordem e estruturalmente intacto, o dano é significativo. Grandes pedaços de detritos, incluindo esculturas, foram espalhados ao longo do terreno. O templo foi fechado ao público até danos pudessem ser plenamente avaliados, algumas semanas mais tarde, em 2006, o local foi re-aberto  para os visitantes, mas agora infelizmente não se tem acesso a todas as áreas, as imediações dos templos hindus esta cercada por limites por razões de segurança.

Prambanam

Existiam 237 templos no presente complexo, sejam grandes ou pequenos. Mas a maioria deles se deterioraram, o que resta são apenas pedras espalhadas. O complexo templo Prambanan constituído por três zonas, em primeiro lugar a zona exterior, segundo o meio zona que continha centenas de pequenos templos, e o terceiro considerado sagrado e continha oito  templos principais.

A zona exterior é um grande espaço marcado por uma parede retangular (destruída). A função original é desconhecido, as possibilidades são de que ele era um parque sagrado. E as construcoes ali eram feitas de madeira e não resistiram ao tempo.

Os três principais santuários, chamada Trimurti (“três formas”), são dedicados a três deuses Hindus: Brahma o Criador, Vishnu o Guardião, e Shiva o Destruidor.  O santuário dedicado a Shiva fica no centro e contém cinco câmaras, quatro pequenas câmaras em cada sentido e uma maior orientada de acordo com os pontos cardeais na parte central do templo, onde existe uma grande estátua de três metros de Shiva (o Deus Supremo).

 Vinshu & Shiva

Alguns historiadores acreditam que a representação de Shiva Mahadeva significou para personificar rei Balitung como a reencarnação de Shiva. Então, quando ele morreu, um templo foi construído para comemorar a ele como Shiva. A estátua de Shiva fica sobre uma lótus.

As outras três pequenas câmaras contêm estátuas de deuses hindus relacionado com Shiva, o seu consorte Purga, o Rishi Agastya, e Ganesha, seu filho com cabeça de Elefante. Agora no Brasil com a Novela Caminho das Indicas esses nomes de Deuses Hindu estão famosos.

Os outros dois principais santuários são o de Vishnu que esta no lado norte de Shiva, e de Brahma ao sul. Cada templo contém uma estátua de Brahma e Vishnu respectivamente. Os baixos-relevos, ao longo do balaústre sobre a galeria dos templos de Shiva e Brahma retratam a lenda de Ramayana. No templo de Vinshu há séries de baixo-relevo Krishnayana retratam a história do Deus Krishna.

Brahma

O Templo estava bem cheio, o que me chamou atenção foram alguns estudantes com bondes vermelhos, ate brinquei o movimento dos sem terra vão invadir o templo agora.

Sem Terra

Na saída vimos um cercado com dezenas de Viadinhos, maioria deles pintados como o Bambi, eles também pareciam ser muito mansos, peguei um galho de árvore e eles vieram comer na minha mão junto da cerca. Creio que esses sejam da mesma especie que foi introduzida no Uruguay trazida da India, que apareceu no Globo reporter da primeira semana de Maio.

Cervos

Cervos II

Depois demos uma olhada no mercado de artesanatos, mas nada nos chamou muito atenção, ate porque a Inge disse que iria levar-nos a um local só para ver e comprar essas coisas, a loja e de um dos parentes do Sultão.

Seguimos de volta a cidade, o transito caótico como e típico na Indonésia faz uma viagem de 20 kilomestros levar mais de 1 hora, fomos então a Malioboro Street onde ficam as lojas de artesanato, bem no final dela fica a loja do parente do Sultão, chamada Mirota, para ser sincero nunca vi loja com tanto artesanato junto, o primeiro andar somente em batik, acabamos saindo com 2 sacolas cheias e o melhor de tudo que e super barato, uma toalha de mesa custava em media 10 – 15 reais.

Malioboro Street

Tudo feito em Batik, a técnica Javanesa que utiliza Cera para pintura, e ali podia se comprar de tudo que só possa imaginar feito de Batik, como toalhas, camisas, Capa para Butijao de Gás, almofadas, edredons e etc…

No Segundo andar haviam outros tipos de artesanatos, coisas parecidas com Bali e coisas típicas de Java, obviamente também tinha coisas feias, mas saímos satisfeitissimos com nossas compras e na hora de pagar descobrimos que ainda tínhamos mais 5 % de desconto por ter cartão HSBC.

Quando saímos da loja já estava noite, decidimos pegar um lanche no AAC Donalds para evitar surpresas como no almoço, pegamos no Drive Thru mesmo e fomos para o hotel, jantamos na nossa sacadinha com vista a um laguinho cheio de peixes, super legal.

Por sinal durante o dia aprendemos algumas palavras em Bahasa, já sabíamos algumas que havíamos aprendido em Bali, mas o que eu achei legal mesmo foi descobrir que Orangotango e uma palavra originaria do Indonésio, Orang significa pessoa ou ser e Utan significa Floresta, logo Orangotango e o ser da floresta, que infelizmente  e um animal cada vez mais raro na indonésia, devido a destruição das florestas no pais.

Tomamos banho e dormimos já que não havia um canal em inglês na TV, tudo em Bahasa, ai ver TV em Bahasa a noite era de mais para nossa cabeça.

Índice com todos os Posts do MauOscar

Clique na Logo =>

Siga o MauOscar.com também no:

No Comments
  1. Marcia says

    Achei o maximo o modo como voce contoua viagem. Conheço alguns lugares que voce comentou e a forma como voce contou fez toda a diferença,
    parabens.
    voce é natural de que cidade?

    1. Mauoscar em Dela Where??? says

      Obrigado pela visita Marcia.
      Sempre é muito legal saber que alguem se identifica com o que escrevo.
      Eu nasci em SP, Cresci em Jlle e fiz Faculdade em Curitiba e agora estou nos EUA

  2. t-rex says

    ótimo, sempre quis viajar pra esses lugares com templos *o*

    1. MauOscar says

      Thiago

      Os templos de Jogjakarta são lindos!!

Leave A Reply

Your email address will not be published.