Dicas e Relatos de viagens ao redor do mundo

Viagem ao Camboja

0

No dia 19 de Fevereiro embarcamos bem cedo rumo a Siem Reap no Cambodja, como nosso voo saia as 06:00 acordamos bem cedo, pegamos um táxi, que alem de ser difícil por conta do horário tinha um adicional de 50% ate o aeroporto, fizemos nosso checkinn para o Voo Jetstar K3 399 no balcão da Jetstar, o mesmo por sinal que fizemos nosso Checkinn para o Brasil pela KLM.

Tivemos pouco tempo, ainda trocamos alguns dólares de Singapura por dólares Americanos, inclusive na correria acabamos deixando no balcão a pasta com nosso ticket e reserva do hotel, fato que só nos demos conta quando estávamos chegando em Siem Reap, felizmente não esquecemos nossos passaportes ou outra coisa mais importante, só tivemos que rezar para que o hotel mandasse alguém nos buscar no aeroporto, pois de cabeça sabíamos apenas o nome do hotel.

Depois de ficarmos enlatados por 3 horas, acho que nunca viajei em um avião tão apertado na vida, chegamos a Siem Reap no Cambodja. Do avião podíamos ver como a paisagem era diferente, o tempo parecia chuvoso, mas felizmente não choveu nenhum dia, afinal de contas essa e a estacao seca. O Cambodja e um pais extremamente influenciado pelo regime hídrico com destaque ao clima de moncoes, que vem influenciando o modo de vida dessa parte do mundo desde os tempos antigos quando a civilização Khmer floresceu.

O Desembarque se deu através de uma escada, nada de pontes, no terminal de passageiro, ate comentamos entre o avião e o Aeroporto que o Cambodja tem um “ar” diferente de Singapura, mesmo assim o Aeroporto apesar de pequeno e bastante impressionante por seu estilo não convencional.

Logo que desembarcamos se formou uma grande fila na imigração, mas por sorte nos tiramos nosso visto na embaixada do Reino do Cambodja em Singapura, assim evitamos a fila do visto na chegada (Visa upon on arrival), e podemos passar direto pelo controle do passaporte, eu finalmente estava estreando meu novo passaporte.

Pegamos nossas bagagens que demoraram um pouco para chegar, mas ainda sim fomos uns dos primeiros a sair do aeroporto, pelo caminho podemos ter o contato com a língua deles através das placas no aeroporto, com uma grafia totalmente diferente, uma mistura entre o sânscrito e o tailandês, essas horas que damos graças a Deus em ter uma língua como o inglês onde diferentes povos entendem, principalmente em um local turístico como Siem Reap.

Na saída do aeroporto já estava nos esperando o motorista do hotel e o guia que iria nos acompanhar no primeiro dia de visita, seguimos então ate o hotel onde faríamos o checkinn, pelo caminho tivemos o primeiro contato com a realidade do pais, que foi no passado uma das civilizacoes mais prosperas da antiguidade e hoje depois de anos de guerra civil e uma das nacoes mais pobres do sudeste da Ásia. A coisa que mais chama atenção no trajeto entre o Aeroporto de Siem Reap e o Hotel e a enorme quantidade de motocicletas e TukTuks, esse ultimo uma combinação de moto com charrete, que serve como o táxi mais comum e barato.

Passamos por diversos hotéis de excelente padrão, chegamos ao nosso, uma enorme porta de madeira todinha entalhada, pelo menos algumas semanas de trabalho para fazer aquilo, no checkinn demoraram um pouco para achar nossa reserva e a gente também não tinha mais os papeis, mas no final deu tudo certo, deixamos as nossas coisas no nosso quarto colocamos algumas coisas em nossa mochila, peguei a maquina fotográfica e fomos explorar as ruínas da civilização Khmer.

Pelo caminho muitas motos e tuktuks, entramos em uma rua, onde vimos varias coisas exóticas, como bicicletas e motos transportando de tudo o que você pode imaginar, desde lenha ate galinhas vivas, estávamos próximos a um mercado local, mas infelizmente não tivemos a oportunidade de parar nem de tirar fotos.

Fomos ate o local onde se compra os tickets para se visitar os templos, bem embora seja um património da humanidade tombado pela UNESCO, a visitação e paga, ou melhor muito bem paga a um custo de 20 USD por dia, mas comprando o ticket para 3 dias se paga apenas 40 USD, mas ate podemos entender por que esse custo, essa e talvez a única e maior fonte de divisas para o pais. Na hora mesmo eles tiram a sua foto e imprimem seu “passaporte” para visitar os sítios arqueológicos.

Como o Cambodja e um pais pouco conhecido para nos Brasileiro, bem o Cambodja  (em khmer  ) Preăh Réachéanachâkr Kâmpŭchea, tem cerca de 181 040 km² de superfície e partilha uma fronteira de 800 km com a Tailândia no norte e ocidente, uma fronteira de 541 km com o Laos no nordeste e uma fronteira de 1 228 km com o Vietnam, no leste e sueste. Tem 443 km de costa no golfo da Tailândia.

 

A principal característica topográfica do país é a planície lacustre formada pelas inundações do TonleSap (Grande Lago), que tem cerca de 2 590 km² de superfície durante a estação seca e 24 605 km² na estação das chuvas. Esta planície densamente povoada, dedicada ao cultivo de arroz, constitui o coração do Cambodja. A maior parte (cerca de 75%) do país situa-se a menos de 100 m de altitude.

As temperaturas variam entre os 10 °C e os 38 °C. O Camboja sofre o efeito das monções tropicais: a monção de sudoeste, que sopra do mar em direcção ao nordeste, traz ventos carregados de humidade do golfo da Tailândia e do oceano Índico entre Maio e Outubro, sendo o período de maior precipitação nos meses de Setembro e Outubro; a monção de nordeste, que sopra do interior para a costa, traz consigo a estação seca, de Novembro a Março, sendo Janeiro e Fevereiro os meses de menor precipitação.

Bem o Cambodja é uma monarquia constitucional, em vigor desde de 1993, quando esta foi restaurada pela ONU, após décadas de regimes autoritários comunistas. O atual rei do Camboja é Norodom Sihamoni, e possível ver fotos dele e da família real em diversos lugares que visitamos a começar pelo aeroporto.

O Cambodja tem uma rica historia, que começa com a antiga civilização Khmer, sua historia recente no entanto e um tanto complicada e internacionalmente conhecida pelo genocídio de milhares de pessoas pelo Khmer Vermelho, estima-se que entre 15 a 20 mil professores foram mortos, 90% dos monges budistas e 1 em cada 5 médicos. Até hoje o Cambodja tenta contabilizar o número total de mortos no genocídio, mas as estimativas vão de 1 milhão a 3 milhões de assassinatos sob o comando do Khmer Vermelho Pol Pot, num país de 7 milhões de habitantes. Em 1978, ainda que apoiado pelo governo comunista da China, foi deposto pela intervenção de tropas vietnamitas, levando a um novo conflito que perduraria até a intervenção da ONU no país.

Índice com todos os Posts do MauOscar

Clique na Logo =>

Siga o MauOscar.com também no:

No Comments
  1. Jenny says

    Filhos!
    Acompanhando o National Geografic e vendo os sitios arqueológicos e mostrados em computação grafica deu para ver a extensão do povo que habitava o Canbodja. e o quanto eram adiantados . Algo que me chamou atenção que até os rios eram calçados com pedras. e todo o sistema de captação de agua.Bem bacana mesmo.
    Beijosss

Leave A Reply

Your email address will not be published.