Dicas e Relatos de viagens ao redor do mundo

HSBC CHAMPIONS Xangai: Um dos maiores torneios de Golf da Ásia

0

No Domingo, segundo dia de nossa estada em Xangai, logo depois de acordarmos fomos tomar o café da manha do hotel que estava delicioso. Depois voltamos para o quarto para arrumarmos nossas coisas antes de partirmos para o próposito real de nossa viagem à Xangai. Assistir ao HSBC Champions.

Café da Manhã no Ritz Carlton em Xangai

Às 09:30 encontramos algumas outras pessoas no Lobby do Hotel e seguimos de van até o local do evento, pegamos bastante trânsito pelo caminho. Uma coisa que não posso deixar de mencionar é que todos em Xangai dirigem muito loucamente, lá vale a regra do quem pode mais. A boa notícia foi que o Sol resolveu aparecer, mas fazia um pouco de frio.

Trânsito em Xangai, detalhe Santana de um lado Fiat Palio no outro

Em nossa van estavam 2 modelos que a Concha e Toro havia contratado para representar e divulgar o vinho durante o evento. Para nossa surpresa elas além de serem brasileiras elas eram de Curitiba.

Caminho para Sheshan Golf Club

Depois de quase 1 hora e 15 minutos de muito trânsito, finalmente chegamos ao Sheshan Golf Club, onde estava sendo realizado o torneio de Golf patrocinado pelo HSBC e Co-patrocinado pela Concha e Toro. A grande vantagem de ser VIP nessas horas e poder entrar de carro/van até o local do evento. Por sinal, da entrada do portão em diante o local impressionava pela organização e beleza. Quando finalmente desembarcamos, tínhamos a impressão de estar em algum lugar da Toscana, em momento algum aquilo parecia ser China.

Entrada do Sheshan Intrenational Golf Club onde acontece o HSBC Champions 

Este torneio, o World Golf Championship HSBC Champions  é disputado em Xangai desde 2005. É um evento profissional masculino, disputado num campo de 72 buracos, no Sheshan International Golf Club que foi projetado por Nelson e Haworth e faz parte do calendário da International Federation of PGA Tours.

Mapa do Evento

HSBC Champions 2008

Já de posse de nossas credenciais VIP’s fomos ao camarote da Concha e Toro, onde já havia comida e vinho à vontade. Como ainda era muito cedo para começar a beber, decidimos  explorar o Clube de golfe, e de quebra assistir aos melhores jogadores da modalidade. Muito embora até esta viagem não fazia idéia, ou melhor continuo não fazendo muito das regras deste esporte que figura na lista dos mais requintados do mundo.

Sheshan International Golf Club em Xangai

 O dia estava uma delicia, fazia friozinho mas o Sol estava lá. O Clube era impecavelmente bonito e muito organizado. Para dizer bem a verdade aproveitamos muito mais o visual, a comida e os vinhos do que o torneio de golfe em si.

Sede do Clube de Golf onde acontece em Novembro o HSBC Champions

Rolls Royce de algum milionário chinês estacionando em Sheshan

É difícil imaginar que Sheshan fica a 45 minutos do centro de Xangai. Tudo lá lembra a Europa e em momento algum você se diz estar na China. Trata-se de um clube com vista sobre uma vasta planície aluvial com cerca de 1.5 milhões de metros quadrados, que além de um gigantesco campo de golf tem diversas villas, townhouses e mansões construídas em estilos arquitetônicos diferentes, como o francês, espanhol e da toscana.

Vila na Toscana? Não!!! Sheshan International Golf Club

Vimos algumas tacadas de alguns jogadores como o do número 2 do mundo, e ficamos transitando. Infelizmente neste ano o Tiger Woods esta contundido e não participou do evento. Perto da hora do almoço fomos para nosso camarote do Casillero del Diablo almoçar e tomar vinho.

HSBC Champions em Xangai, China

O almoço estava gostoso, mas o melhor de tudo era o vinho, até porque o clima frio era um verdadeiro convite a encher a taça. Deu até pena das modelos brasileiras que ficaram no frio fazendo divulgação da marca com um vestidinho minúsculo.

Garrafa de Itu de Casillero del Diablo. Prêmio dado ao ganhador do Torneio

Depois do almoço assistimos mais a algumas jogadas. Bem como aproveitamos para conhecer o trabalho que o departamento do HSBC de Shanghai estava fazendo no Evento. Assim como a Concha e Toro, a Emirates também era uma das co-patrocinadoras. Eles estavam sorteando duas passagem para Dubai para assistir ao Evento congênere nos Emirados Árabes Unidos. Mas infelizmente não ganhamos.. Também se ganhássemos teríamos que jogar na loteria.

Tendas montadas para o Evento

No início do final da tarde, decidimos retornar para a cidade, uma vez que por mais que tentassemos entender e gostar de Golfe o negócio uma hora cansava. Conseguimos que a van nos levasse ao ponto do metro mais próximo de Sheshan, e lá fomos nós nos aventurar pelo transporte público de Xangai.

Placar do Torneio.. No qual Andy Garcia se sagrou campeão

Assim que chegamos à estação, nos sentimos verdadeiros analfabetos. Não havia nada, absolutamente nada escrito em inglês, mas mesmo assim conseguimos pegar o metro. Tínhamos medo de estar pegando na direção errada, mas seguimos os instintos e “tentamos” estabelecer contato com algumas pessoas, no final deu tudo certo.

Tacos de Golf dos Profissionais 

Claro que estava tudo muito tranquilo, no meio do caminho tivemos que trocar de metro. Na verdade, tivemos que pegar um ônibus até uma outra estação, pois a linha do metro acabava ali. E ainda não estava interligada com a outra que vai até o centro da cidade. O processo foi tranquilo, e vale aquela regrinha básica na dúvida, Siga o fluxo.

Arborização de Xangai

Obviamente alguma coisa engraçada tinha que acontecer pelo caminho. Nessa cultura do quem pode mais no trânsito, tão comum entre os chineses. Nosso ilustríssimo motorista do ônibus ao passar ao lado de uma obra simplesmente entalou com outros ônibus que vinham em sentido contrário. Neste momento nenhum dos motoristas pareciam dispostos a dar passagem para o outro. Enquanto isso, mais e mais ônibus chegavam e mais entupido ficava o local. Moral da história, ficamos inimagináveis 25 minutos até que conseguíssemos seguir viagem até a outra estação de metro da cidade. De onde pegamos o metro e seguimos até a estação na People Square.

Bund em Xangai, Antigo centro comercial e financeiro da cidade

Dali caminhamos em direção ao Bund às margens do Rio Huangpu, pelo caminho muita gente tentou nos vender produtos pirateados. Assim que chegamos ao Bund, fomos até a antiga sede do HSBC, que atualmente pertence ao Pudong Development Brank. Onde se encontram duas das estátuas de leões de bronze, as quais também estão na sede do HSBC em Londres e Hong Kong.

Leão do HSBC no Bund em Xangai

Ainda aproveitamos para dar uma caminhada pelo Bund para tirar foto do local bem como tirar algumas fotos de Pudong na outra margem do Rio, onde fica o centro financeiro moderno de Xangai.

Vista de Pudong

Dali decidimos pegar um táxi e voltar para o hotel, por sorte estava com o cartão com o endereço do hotel escrito em chinês na carteira. Por mais que tentássemos estabelecer comunicação o motorista do Taxi, ele não entendia. Já estava anoitecendo quando chegamos ao Hotel, tomamos um bom banho, e nos arrumamos para o nosso ultimo jantar em Xangai.

Orquestra de Música Clássica Chinesa no Hotel Ritz Carlton

Encontramos o pessoal, que acabara de voltar do torneio de Golfe no lobby do hotel e fomos de Van ate a região do French Concession, mesmo lugar que estivemos no dia anterior em nosso city tour não programado. Lá fomos a um restaurante chamado Latina, que para nossa surpresa era uma Churrascaria Brasileira.

Latina, Churrascaria Brasileira em Xangai

Essa foi mesmo para compensar o jantar do dia anterior, que não estava nada ruim. Mas em que fora servido diversas coisas extremamente exóticas ao nosso paladar. Entre outras coisas, pulmão de porco, carne de cobra, carne de sapo e carne de cachorro, além de outras carnes menos exóticas como peixes, e outros tipos de frutos do mar. Mas verdade seja dita para que comer essas coisas tão diferentes se existe uma boa picanha ou um churrasquinho. Como experiência foi super válido, mas nada substitui um churrasco. Ainda mais se for regado à muito vinho concha e toro.

Ao final do jantar ainda tiramos algumas fotos e juntamente com o casal vencedor da promoção na Malásia, decidimos ir até o Bund para ver a iluminação noturna da cidade e principalmente de Pudong. Já estava meio tarde, e para nossa decepção tudo já estava desligado às 22:30.

Pudong à noite

Caminhamos mais um pouco pelo local e decidimos pegar um táxi e voltar para o hotel, afinal já estava tarde e os vendedores ambulantes se transformaram em pedintes. Era impressionante a quantidade de pedintes que vinham em nossa direção ali na região do Bund, Por falar em pedintes, está ai uma coisa que nunca vimos em Cingapura.

Bund à noite em Xangai

No dia seguinte, nosso último dia em Xangai, tínhamos até o meio dia para dar uma última explorada na cidade. Logo que acordamos deixamos nossas coisas todas prontas e fomos tomar nosso café da manhã.

Yi Fo Si Temple em Xangai

Depois disso pegamos um táxi e fomos conhecer o Templo do Buda de Jade (Jade Buddha Temple (Yu Fo Si)), um dos templos budistas mais famosos e importantes de Xangai, construído em 1882, esse é um dos templos mais visitados por turistas na China. Sua fama se dá principalmente pela imagem de Buda de mais de uma tonelada feita em Jade, trazida de Burma.

Templo Buda de Jade em Xangai

Ao chegarmos ao templo encontramos uma excursão cheia de brasileiros, esse povo é uma praga mesmo. Até na China… O Templo era muito bonito, uma das coisas que eu mais gostei ali foram os Bonsais seculares cuidados pelo monges.

Templo Budista em Xangai

Também aproveitamos para conhecer um pequeno museu deste templo, com uma exposição super interessante de peças entalhadas em madeira e em Jade. Dentro de uma das salas havia um artitas que fazia desenhos usando apenas as mãos e tinta nanquin.

Templo do Buda de Jade em Xangai

Já era perto das 11 horas quando pegamos o táxi para voltar, ainda fomos a um shopping de produtos made in china, onde compramos umas bonequinhas chinesas e mais alguns souvenirs de viagem, e fomos correndo para fazer o check-out do hotel.

Shopping Próximo ao Hotel

Nosso carro com motorista estava nos esperando para nos levar de volta ao aeroporto, pelo caminho novamente muito transito, mas o mais legal de tudo foi ver o trem Maglev passando ao nosso lado a mais de 400km/h.

Mascote da Expo 2010, o próximo grande evento na China

Chegamos ao Aeroporto fizemos nosso check-in ao passar pela segurança, parecia que estávamos nos EUA, o controle extremamente rígido, mandou até tirarmos os sapatos. Como foi tudo muito corrido não chegamos a almoçar. Estávamos com um pouco de fome e como quase não tínhamos Yuans sobrando, acabamos comprando apenas um refrigerante e  mais umas batatas fritas. Aguardamos nosso embarque, o Aeroporto em si é relativamente moderno, mas é muito ruim comparado com outros aeroportos que conhecemos na Ásia, não tem quase nada para se comprar, e as opções gastronômicas são piores que em Guarulhos.

Aeroporto Pudong em Xangai

Para piorar a comida do avião era pior que no vôo de vinda. Chegamos em Cingapura por volta das 20:30, pegamos nossas malas, como estávamos com 4 garrafinhas de vinho na Mala decidimos que o Mau fosse na frente, caso tivesse problemas na alfândega eu seguiria em sua direção, se ele conseguisse passar sem problemas compraria um licor amarula, e foi o que aconteceu. O que a gente não faz para não pagar um absurdo de imposto sobre bebidas alcoólicas em Cingapura.

Voltando para Casa

Decidimos ir de Metro MRT para casa e pelas 09:15 estávamos em casa, aproveitamos bastante essa nossa viagem “na faixa” para a China. Foi uma experiência incrível, com algumas coisas engraçadas e muitas surpresas como comer carne de cobra, cachorro e sabe Deus mais la o quê?

 

Posts Relacionados:

 Xangai: uma aventura para lá de diferente

 Viajando de China Eastern Airlines – Singapura à Xangai

 

Índice com todos os Posts do MauOscar

Clique na Logo =>

Siga o MauOscar.com também no:

Leave A Reply

Your email address will not be published.